|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Portugal tem mais de 30 mil alojamentos locais, cinco mil em Lisboa

08 jun, 2016 - 10:03 • Ana Carrilho

Na capital, 90% dos alojamentos pertence a pequenos proprietários. Para cerca de cerca de um milhar de famílias, o aluguer destas casas é a principal fonte de rendimento.

A+ / A-

Lisboa tem mais de 5.100 alojamentos turísticos registados na base oficial nacional. Metade concentra-se numa única freguesia da capital, Santa Maria Maior, seguida da freguesia da Misericórdia. Em Lisboa, este tipo de alojamento já responde a cerca de 35% da procura turística

Os números são avançados no inquérito realizado em Maio pela Associação de Alojamento Local em Portugal (ALEP) aos titulares de Lisboa.

O documento, a que a Renascença teve acesso, revela ainda que, a nível nacional, no dia 1 de Junho, estavam registados mais de 30.300 imóveis na categoria de alojamento local.

Ainda de acordo com o inquérito, três quartos dos registos de Lisboa correspondem a apartamentos e moradias, sendo os restantes “hostels” e outros estabelecimentos de hospedagem.

Segundo o inquérito, 90% pertence a pequenos proprietários que, e em mais de metade dos casos, têm apenas uma casa destinada aos turistas. Mas para cerca de um milhar de famílias, o aluguer destas casas é a principal fonte de rendimento.

Com este inquérito a ALEP pretende desmistificar a ideia de que o alojamento local está a prejudicar a vida dos habitantes dos grandes centros urbanos, como Lisboa e Porto. A ALEP frisa que o alojamento local não tem impacto fora do centro histórico, nomeadamente, na capital.

O documento realça ainda que, em 2012, 30% dos imóveis de Santa Maria Maior estavam vagos e outros 50% precisavam de obras, nalguns casos, muito profundas. Por outro lado, na década anterior (2001 a 2011) Alfama perdeu um quinto da população e o Castelo um terço e, segundo a associação, sem ter capacidade de atrair novos moradores.

Ainda segundo o estudo, só o ano passado foram investidos 48 milhões de euros em reabilitação de frações, quase todas no centro histórico.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MC
    08 jun, 2016 Lx 13:36
    Este tipo de negócios tem que ter mais regulação senão a hotelaria desaparece e assim teremos um turista de menos valia.