|
A+ / A-

Radiografia à saúde. Dois terços dos portugueses são obesos

31 mai, 2016 - 08:32

Primeiro inquérito à saúde com exame físico revela grande prevalência das doenças crónicas, como a hipertensão, a diabetes e a obesidade. Cerca de um terço dos homens consome bebidas alcoólicas em excesso e um em cada quatro é fumador.

A+ / A-

Dois terços dos adultos portugueses têm excesso de peso e há uma grande prevalência de doenças crónicas como hipertensão e diabetes em Portugal. Problemas identificados no primeiro inquérito à saúde dos portugueses em resultado de exames físicos.

De acordo com os dados apurados, o estado de saúde da população portuguesa entre os 25 e os 74 anos de idade, em 2015, caracterizava-se por uma "elevada prevalência de algumas doenças crónicas", como a hipertensão arterial, a obesidade e a diabetes.

O estudo abordou também o consumo das bebidas alcoólicas: cerca de um terço (33,8%) da população masculina referiu consumo perigoso de álcool (“binge drinking”), valor muito superior ao do sexo feminino (5,3%).

Este tipo de consumo é mais prevalente no grupo etário mais jovem e vai diminuindo com a idade.

As regiões do Alentejo e a Região Autónoma da Madeira revelaram as prevalências mais elevadas em qualquer dos sexos.

O Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) foi promovido e desenvolvido pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), em parceria com o Instituto Norueguês de Saúde Pública e com as administrações regionais de saúde do continente e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Os indicadores apurados referem-se à população com idades entre os 25 e os 74 anos, tendo contado com a participação de 4.911 pessoas que realizaram, para o efeito, um exame físico, colheita de sangue e entrevista.

Em geral, o INSEF revela uma elevada prevalência de hipertensão arterial, obesidade e diabetes, bem como altos níveis de sedentarismo, de consumo de bebidas alcoólicas e exposição ao fumo do tabaco.

Mulheres com mais escolaridade fumam mais

Mais de um quarto dos homens intervenientes no estudo (28,3%) consumiam tabaco, diariamente ou ocasionalmente. Na população feminina, a percentagem baixa para os 16,4%.

Mas, nas mulheres, o consumo de tabaco aumenta com a escolaridade, enquanto nos homens era mais prevalente nos grupos com escolaridade intermédia, independentemente da idade.

Os desempregados revelaram prevalências mais elevadas em qualquer dos sexos (43% nos homens e 27% nas mulheres).

Quanto à exposição ambiental ao fumo do tabaco, afectava 12,8,% da população e era mais frequente entre os homens na Região Autónoma dos Açores, na população com segundo ou terceiro ciclo do básico e nos desempregados.


Dois terços da população é sedentária
A investigação adianta que o sedentarismo nos tempos livres afectava, em 2015, 44,8% da população, com maiores prevalências nas mulheres.

Também mais afectado é o grupo etário entre os 55 e os 64 anos (46,9%), a Região Autónoma dos Açores (52,5%), a população com menor escolaridade (51,6%) e a população desempregada (46,9%).

O coordenador do estudo, Carlos Dias, considera que o inquérito confirma alguns indicadores preocupantes e mostra "algumas necessidades em saúde que certamente irão ser levadas em consideração pelos serviços públicos".

A radiografia revela ainda que o país não é todo igual nas matérias abordadas, o que "é uma vantagem", na opinião do coordenador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • H
    31 mai, 2016 Porto 13:00
    De acordo com as classificacao do indice de massa corporal (IMC, ou BMI em Inlges,) existe uma categoria acima daquela considerada saudavel, chamada 'pre-obesa' definida como o IMC de 25 a 29.5. Este artigo afirma q 'dois tercos dos portugueses sao obesos' (isto é tem o IMC acima de 30) e tambem afirma que 'dois tercos dos portuguese tem excesso de peso..' (isto é tem o IMC acima de 25). Sao dois 'factos' diferentes! Qual esta certo? Pergunto apenas em nome do rigor, pois admito que ambas as afirmacoes sejam preocupantes. É preciso muito cuidado quando se repete informacao tirada dum estudo! Obrigada
  • Alberto
    31 mai, 2016 Funchal 11:21
    Se este Governo gosta tanto de interferir com Costumes, porque não os proíbe de comer?