Tempo
|
A+ / A-

Alguns lesados do BES podem recuperar quase todo o dinheiro perdido

30 mai, 2016 - 23:12 • Liliana Monteiro

Solução para cerca de dois mil clientes será conhecida nas próximas semanas.

A+ / A-

A proposta que vai contemplar uma solução para os cerca de dois mil clientes do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) deverá ser tornada pública ainda na primeira quinzena de Junho.

Fonte próxima do processo adiantou à Renascença que ficará depois nas mãos dos lesados aceitá-la ou não.

Será uma solução que vai contemplar na sua maioria uma retribuição com valores muito acima dos 50% do capital perdido e, em alguns casos, muito próxima dos 100%.

O grupo de trabalho considera que encontrou uma solução razoável e acredita mesmo que a grande maioria vai aceitar a proposta. Aqueles que rejeitarem terão de continuar a lutar nos tribunais.

Para chegar a esta proposta o grupo teve de contornar muitas questões técnicas. O grande problema foi mesmo encontrar uma solução que blindasse outros credores internacionais e os impedisse de reclamar também as verbas que perderam.

O grupo conseguiu encontrar uma solução para este problema, permitindo que os lesados do papel comercial voltem a ter em mãos boa parte da verba perdida com a resolução do BES no Verão de 2014.

O grupo de trabalho criado para tentar compensar os clientes lesados começou a trabalhar no final de Março e justifica a demora com o "especial cuidado técnico" por causa da complexidade da situação.

Há mais de dois meses que o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), um representante do 'banco mau' BES e a Associação de Lesados do Papel Comercial tentam chegar a acordo. Em causa estão 432 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Helder
    31 mai, 2016 Lisboa 09:39
    Mas isto não é um caso de polícia? Enganaram as pessoas e quem enganou tem que ser julgado, e a culpa vai recair sobre a administração do BES. Pronto, ponto final...Eles têm bens para cobrir esta divida...o estado vende os bens pessoais desses gajos e entrega o dinheiro aos lesados do BES. E acabou-se...o assunto.
  • TUGA
    31 mai, 2016 LISBOA 09:04
    ACCIONISTAS E GERENTES NÃO TÊEM BENS PARA PENHORAR E PAGAR-SE ÀS PESSOAS???? UM CIDADÃO COMUM VÊ TUDO PENHORADO POR MEIA DUZIA DE TOSTÕES E A ADMINISTRADORES QUE DESVIARAM MILHARES DE MILHÕES NÃO SE PENHORA NADA????? A JUSTIÇA É SÓ PARA QUEM NÃO SE PODE DEFENDER?? (POBRES)??
  • Hugo
    31 mai, 2016 Lisboa 08:40
    Quer isso dizer que já podemos todos investir em capitais de risco, que o estado cobre se a coisa correr mal, com o dinheiro dos contribuintes?? Que país... a cobrir perdas em investimentos privados arriscados, em que os investidores conheciam o risco e em que a depositaria concerteza o dinheiro no estrangeiro se pelo contrário tivesse feito imenso dinheiro.
  • Zé das Coves
    31 mai, 2016 Alverca 08:31
    Deve-se ao anterior governo, que sempre se esteve nas tintas para os lesados.
  • Dias
    31 mai, 2016 Lx 01:45
    Eu como lesado da D. Branca, vou propor a todos os lesados da dita D. Branca, criarmos um grupo para reivindicar as nossas economias perdidas.