Tempo
|
A+ / A-

Interesse da criança está garantido com “barrigas de aluguer”?

21 mai, 2016 - 13:24

O Conselho de Ética fez um parecer unanimemente negativo, mas a esquerda aprovou a lei. Rita Lobo Xavier duvida da legalidade da medida, que considera inaceitável.

A+ / A-
"Barrigas de aluguer". Interesses da criança estão salvaguardados?
"Barrigas de aluguer". Interesses da criança estão salvaguardados?

O decreto de lei da gestação de substituição é inaceitável face ao direito português e pode até ser inconstitucional, defende Rita Lobo Xavier.

A Assembleia da República aprovou a gestação de substituição, conhecida informalmente como “barrigas de aluguer”, com os votos favoráveis de 24 deputados do PSD, incluindo Pedro Passos Coelho. Foi também aprovado o alargamento a qualquer mulher, independentemente do seu estado civil ou orientação sexual, do acesso às técnicas de procriação medicamente assistida.

A professora de Direito, e membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, não concorda com o alargamento a todas as mulheres do acesso à procriação medicamente assistida, mas é sobretudo crítica da possibilidade de uma mulher gestante poder ceder o seu ventre para que outra, incapaz de engravidar, possa gerar nele uma criança.

“Podem escrever as vezes que quiserem num decreto, e assinar por baixo, e até votar por maioria na Assembleia da República e até podem pôr numa lei que o contrato é válido. Mas isto é completamente inaceitável, uma mulher estar-se a comprometer, antecipadamente, a renunciar à maternidade. Quando eu ensino isto aos meus alunos digo que isto não é a sub-rogação da maternidade, é a renúncia antecipada à maternidade.”

O CDS foi o único partido que votou contra as duas iniciativas legislativas. A deputada Teresa Caeiro argumenta que o CDS não é insensível ao drama das mulheres que não têm útero, mas que deve pesar mais o superior interesse da criança. “Não somos de todo insensíveis ao drama das mulheres que não podem gerar a sua criança, mas entendemos que entre os dois valores em questão, o superior interesse da criança e o desejo da parentalidade, deve prevalecer o primeiro, porque é a parte mais desprotegida”.

A deputada centrista diz que o decreto de lei de gestação de substituição é um potencial foco de processos judiciais e foi determinado apenas em nome do livre arbítrio e do direito à procriação. “Toda a questão está focada no livre arbítrio, no direito à procriação, independentemente de saber o que é que pode acontecer a uma criança que vai ser gerada sob a tutela do Estado, ou seja, sancionada por uma legislação aprovada pelos representantes da população, sem querer saber o que lhe pode acontecer. Esta lei foi aprovada sem qualquer tipo de regulamentação ou esmiuçamento do que pode acontecer.”

Mas o presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida contesta as criticas. Eurico Reis defende que a gravidez de substituição é um avanço civilizacional e não se mostra preocupado com o facto de o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida considerar que não estão salvaguardados os interesses da criança.

“Está ínsito na ideia de criarmos núcleos familiares que querem crianças, que vão amar as crianças, que vão protege-las e que não vão, como muitos casais heterossexuais violá-los, matá-los, mutilá-los, ofendê-los e impedi-los de ter uma saúde mental e física que lhes permita terem uma integração social útil”, afirma.

O projecto de lei das “barrigas de aluguer” partiu do Bloco de Esquerda, que também considera que está assegurado o superior interesse da criança, na medida em que lhe é proporcionada uma família que a vai amar. “Não se consegue garantir isso por lei. Consegue-se garantir o superior interesse da criança, quando se consegue garantir que a criança que venha a nascer com uma técnica de PMA ou de gestação de substituição, seja entregue a uma família que a queira e que a deseja. É tão simples quanto isso”, diz Moisés Ferreira.

O deputado bloquista diz que o decreto-lei terá agora de ser regulamentado, o que será feito pelo Governo. Poderá abrir-se a porta à possibilidade de a mulher gestante poder voltar atrás na decisão de entregar a criança que gerou, após o parto. Moisés Ferreira não assume uma posição sobre esse aspecto, remetendo para a regulamentação.

Este assunto foi debatido no programa Em Nome da Lei, da Renascença. Moderado pela jornalista Marina Pimentel, o programa é emitido aos sábados depois do noticiário das 12h.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    23 mai, 2016 Lisboa 10:13
    Os mesmos que dizem que "se consegue-se garantir o superior interesse da criança" nascida com uma técnica de gestação de substituição e "entregue a uma família que a queira e que a deseja", são os mesmos que defendem a morte de crianças através do aborto. Chamam a isto amor? Só se for a si mesmos.
  • fields
    22 mai, 2016 lx 16:28
    Até parece que o interesse da criança alguma vez interessou a esta gente, estas questões só surgem porque isto dá votos e interessa estar do lado que dá mais votos, tão simples quanto isso. E já agora desde quando ser professora de direito dá à senhora voto superior na matéria, a opinião desta vale mais do a de uma outra pessoa qualquer porquê, especialmente a de alguém que quer mas não pode ter filhos.
  • Teresa Resende
    21 mai, 2016 Porto 17:20
    Vi agora a notícia e gostava de ver o respectivo vídeo, mas não consigo entrar. Até partilhei no meu facebook... Que me aconselham fazer?
  • john doe
    21 mai, 2016 esguelha 16:11
    O interesse da criança está garantido com alguma barriga?
  • Henrique Moura
    21 mai, 2016 Tomar 14:40
    Até quando os meus impostos vão ter de alimentar doidos varridos?
  • João Lopes
    21 mai, 2016 Viseu 14:21
    Foi cómico, vergonhosos e sem ponta de ética: o PSD − com os “modernaços” 24 deputados em que se incluiu Passos Coelho − mais não fez do que de barriga de aluguer do Bloco de Esquerda, para aprovar mais uma causa fraturante. Esses 24 deputados devem abandonar o PSD e inscrever-se no partido comunista BE: e claro, Teresa Leal Coelho terá lugar assegurado na direção do Bloco de Esquerda. Passos Coelho, deveria demitir-se, se fosse um homem minimamente coerente! Deu mostras de falta de princípios humanistas e sem capacidade de liderança! Já não faz falta ao País, nem aos portugueses!
  • Fr
    21 mai, 2016 Portugal 14:19
    Olá, a minha mãe vendeu me e os meus pais adotivos compraram-me. Eles achavam os meninos para adoção feios por isso fizeram um de novo. Há quem diga que os nazis quiseram evitar o materialismo judeu, mas eu gosto da ideia de ser vendido, sobretudo desde bébé, sou um soldadinho!