Tempo
|
A+ / A-

Crise na Venezuela leva filhos de portugueses a emigrar

19 mai, 2016 - 21:26

País tem a mais alta taxa de inflação do mundo, enfrenta uma escassez de produtos nos supermercados e nas farmácias e uma crise energética.

A+ / A-

A prolongada crise política e económica na Venezuela está a levar muitos filhos de portugueses a abandonar o país. A situação é relatada à Renascença por Gil Enio Andrade, presidente do Centro Português em Caracas.

A electricidade é racionada, as comunicações móveis são afectadas, a realidade venezuelana é muito controlada na comunicação social. Uma instabilidade está a levar muitos portugueses a procurar outras paragens, sobretudo, os mais jovens. Os países de eleição são os Estados Unidos, Espanha e Panamá.

Agrava-se o racionamento de energia eléctrica em toda a Venezuela, à excepção da capital. O racionamento passa de três para quatro horas por dia, segundo o jornal brasileiro "Estadão".

“Há dificuldades com a internet e com ligações internacionais de telemóveis. Também faltam produtos de primeira necessidade (farinha, açúcar, café, sabão, pasta de dentes)”, confirma Gil Enio Andrade.

Segundo este emigrante, as televisões e as rádios estão a informar pouco sobre a crise no país e o que vai sabendo é pelas redes sociais. Vive-se em Caracas uma calma tensa e quer esta quarta e quinta-feira realizaram-se manifestações anti-Maduro.

O ex-primeiro-ministro espanhol Rodrigues Zapatero está na capital venezuelana. Zapatero propôs a Maduro que libertasse o líder da oposição Leopoldo Lopez.

A Venezuela enfrenta grandes dificuldades económicas: as suas receitas reduziram-se em 70%, tem a inflação mais alta do mundo e uma grave escassez de produtos básicos (comida e medicamentos), tendo também sido decretado um racionamento eléctrico.

A combinação das diferentes crises levou a uma escalada da tensão, que por vezes tem gerado múltiplos confrontos nas ruas, saques a lojas e roubos.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse esta semana que iria renovar por um ano o "estado de emergência económica" do país que havia sido inicialmente decretado por um período de 120 dias.

O que explica a crise na Venezuela?
O que explica a crise na Venezuela?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Dias
    21 mai, 2016 Feijó 19:54
    Querem maior realidade que esta ? Que mais provas querem ? É isto o Comunismo ? Para CALAR o Povo, enviaram tropas . O Comunismo em Portugal está silencioso, o Bloco idem, porque será ?
  • eduardo botelho
    21 mai, 2016 portalegre 16:01
    ... Cairá como todos ditadores, é uma questão de tempo.
  • Rogerio Leal
    20 mai, 2016 Caracas 17:16
    A realidade ja e suficientemente ma. Nao vale a pena exagerar. Ao contrario do que diz a noticia o racionamento passa de quatro para tres horas. (sem acentos por causa do teclado)
  • João
    20 mai, 2016 Corroios 16:15
    Chamar portugueses a essa gente é como chamar marcianos aos alentejanos. De português só devem ter o apelido Silva, Santos ou Ferreira. Mas interessa à máfia para manter os contribuintes a pagar rotas aéreas inúteis...
  • DR XICO
    20 mai, 2016 LISBOA 10:53
    COMUNISTAS NO GOVERNO... Veja-se o resultado : VENEZUELA, CUBA, CORREIA DO NORTE, RUSSIA...

Destaques V+