Tempo
|
A+ / A-

BE. Poupar nos apoios aos colégios privados é “cortar nas gorduras do Estado”

10 mai, 2016 - 02:02

Mariana Mortágua acusa o PSD e Marques Mendes de defenderem as rendas dos privados e não a qualidade do ensino público.

A+ / A-

O Bloco de Esquerda (BE) vem a terreiro defender o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e a nova lei que limita o financiamento estatal aos colégios privados, com contrato de associação, em zonas onde exista escola pública.

Nas jornadas parlamentares do BE, em Évora, a vice-presidente da bancada parlamentar bloquista, Mariana Mortágua, acusou o PSD de defender aquilo que não defendeu enquanto partido de Governo.

Maria Mortágua defende que cortar nos apoios às escolas com contrato de associação onde elas não são necessárias é “cortar nas gorduras do Estado” e uma medida de poupança orçamental.

“Mas vejam bem como a direita se atirou ao ar, evocando todos os argumentos. De repente, era para proteger os trabalhadores das escolas, o ensino e a qualidade do ensino, o princípio constitucional da confiança. Vejam bem o desplante desta direita que levou vários orçamentos inconstitucionais à Assembleia da República, que dizimou dezenas de milhares de empregos na escola pública, que sempre se esteve marimbando para a precariedade que existia nas escolas privadas que agora dizem defender, de repente estarem tão preocupados com a qualidade do ensino nas escolas privadas”, argumenta a deputada bloquista.

Mariana Mortágua condena ainda as declarações proferidas no domingo pelo ex-líder do PSD Marques Mendes sobre os contratos de associação e sobre as críticas que fez à escola pública.

“O que o Dr. Marques Mendes, tal como o PSD, está a defender não é a escola, é a renda. O que Marques Mendes defende é a renda do colégio privado, não é a qualidade do ensino em Portugal”, acusa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    10 mai, 2016 Santarém 20:03
    Qualidade do ensino público! Mas essa desde 1974 tem sido sistematicamente deitada abaixo e esse é que tem sido o problema, perdeu-se qualidade, responsabilidade e os próprios professores são cada vez mais reféns do navio onde tanto desejaram embarcar em nome da liberdade e outras palavrinhas atractivas, os pais por seu lado cada vez mais reféns de toda esta jogada acabam por optar pelo privado desde que possam, se pretendem acabar com ele será certamente uma forma ditatorial de impor ao país uma só opção bem ao gosto dos ditadores do BE e companhia, a menina Mortágua ainda tem muito para aprender na vida!.
  • Pedro Godinho
    10 mai, 2016 Lisboa 11:47
    Se a esquerda garantir que a "escola pública" terá melhor qualidade e será menos dispendiosa para o erário público óptimo, caso contrário que deixem as pessoas escolher onde querem que os filhos estudem. O Mário Nogueira e seus amigos que procurem engrossar as fileiras sindicalistas noutros sectores.
  • Luis
    10 mai, 2016 Lisboa 11:03
    ANTONIO e TONY MARRECO. Ninguém põe em causa a aprendizagem da escola privada v. escola publica. Cada um come do que gosta. Tem é de pagar do seu bolso e não do dos outros? Vocês se andaram na escola privada pelos vistos não aprenderam muito pois estão a confundir alhos com bugalhos. Tudo o que é privado deve funcionar sem apoios do Estado, excepto em casos excepcionais para preencher lacunas do Estado. Quanto à qualidade do ensino privado ainda estamos todos lembrados dos cursos vendidos à pázada pelas Faculdades privadas. Hoje se temos muitos inuteis com licenciaturas foi porque durante muitos anos algumas faculdades privadas venderam cursos como quem vendia cartas de condução. O povo hoje já não embarca em narrativas da treta criadas para intoxicar a opinião publica em beneficio de interesses ilegitimos.
  • antonio
    10 mai, 2016 Portugal 09:49
    demagogia de quem quer a escola pública para os pobres. Quem tem medo da escola privada? tem medo que se saiba todos os anos que há escolas privadas melhores que as públicas? Porque é que o estado foi criar escolas novas onde já existiam escolas com contratos com o estado? Só para gastar dinheiro?
  • Tony Marreco
    10 mai, 2016 Alpedrinha 07:58
    Pois claro . Quantos mais ignorantes e miséria houver no país , mais votantes tem o bloco e o pc . Por isso , nada de ajudas a quem trabalha e faz as coisas bem feitas para que todas as escolas sejam controladas pelos tais que não deixam que ninguém aprenda nada porque eles também não precisam de aprender porque teem o futuro garantido com vários rendimentos mínimos e mais uns negociositos . Quando estivermos como em Cuba ou na Venezuela então aí estará tudo bem , tudo perfeito e seremos todos muito felizes .

Destaques V+