Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Angola e o problema do BPI

19 abr, 2016 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Veremos até que ponto as relações de Portugal com Angola saem abaladas por causa deste desentendimento.

O acordo entre os accionistas do BPI foi dado como concluído na semana passada. Mas no fim de semana tudo voltou atrás. O primeiro-ministro até havia acompanhado as negociações através do seu “melhor amigo”. E o Presidente Marcelo tinha elogiado a intervenção de todos, incluindo a sua própria, que contribuíra para o aparente sucesso.

A saída para o problema estará num decreto governamental a proibir as actuais limitações do direito de voto dos accionistas. Uma medida estatutária em vigor no BPI e no BCP, bancos criados a partir da iniciativa de gestores (Artur Santos Silva e Jorge Jardim Gonçalves, respectivamente), que queriam livrar-se da eventual pressão de grandes accionistas.

A norma estatutária permitia a Isabel dos Santos, agora, bloquear o Caixa Bank, banco catalão que detém 44% do capital do BPI, mas cujos votos não podiam ir além de 20%.

Veremos até que ponto as relações de Portugal com Angola saem abaladas por causa deste desentendimento. A começar pelo futuro do banco detido maioritariamente pelo BPI naquele país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.