|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

França pede extradição do mentor dos atentados de Paris

18 mar, 2016 - 19:44

Polícia belga deteve cinco pessoas no bairro de Molenbeek, entre as quais Salah Abdeslam e outro suspeito de envolvimento nos ataques de Novembro.

A+ / A-
Oficial: Suspeito dos atentados de Paris detido em Bruxelas
Oficial: Suspeito dos atentados de Paris detido em Bruxelas

Veja também:


O Presidente francês, François Hollande, anunciou que vai pedir a extradição de Salah Abdeslam, o principal suspeito dos atentados de Paris que foi capturado, esta sexta-feira, em Bruxelas.

“Salah Abdeslam esteve directamente envolvido na preparação da organização e na perpretação dos ataques”, declarou Hollande, numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro belga, Charles Michel.

O Presidente francês quer que Salah Abdeslam seja julgado em França e adiantou que o número de envolvidos nos atentados de Paris é maior ao que se pensava inicialmente.

Para François Hollande, ficou claro de que há ligações entre os terroristas de Paris à Síria e ao autoproclamado Estado Islâmico.

Cinco detidos em operação antiterrorista

O procurador federal belga revelou que um total de cinco pessoas foram detidas esta sexta-feira, no bairro de Molenbeek. Inicialmente, havia apenas referência a três detenções.

A operação antiterrorista durou cerca de quatro horas e culminou na captura de Salah Abdeslam, de 26 anos. O mentor dos atentados de Paris ficou ferido numa perna e foi transportado para um hospital.

Além de Salah Abdeslam, foi detido outro suspeito de envolvimento nos atentados de Novembro, que provocaram 130 mortos e centenas de feridos.

As restantes três pessoas detidas pela polícia belga são membros de uma família que acolheu Abdeslam num apartamento de Molenbeek, adianta o procurador federal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Afonso
    21 mar, 2016 Lisboa 11:22
    O Pinto tem toda a razão,além dos bataclans(que podem acontecer a todo o instante)o caminho trilhado parece ser o de uma Europa cada vez mais sem rei nem roque(com estes palhaços que temos a desgovernar).
  • António Costa
    19 mar, 2016 Cacém 12:18
    Para o GHDY, Ponta Delgada: Porque como muito bem disse o problema está na Bélgica, em "bairros" como os de Molenbeek. e também na França. É mais fácil culpar os "testas de ferro" do EI do que perceber e tentar resolver o problema na origem.
  • Afonso
    19 mar, 2016 Lisboa 10:15
    Perdeu-se uma grande oportunidade(nos dias a seguir aos ataques em Paris)de fazer uma limpeza na própria Europa(nos governos e na UE)pondo de parte os traidores e corruptos que permitiram que se chegasse a isto.Quantos mais bataclans vão ser necessários?
  • ghdy
    18 mar, 2016 Ponta Delgada 23:17
    Não intendo....os terroristas foram os cidadãos belgas. Porque a França bombardeou Síria e não bombardeou Bruxelas?
  • Pinto
    18 mar, 2016 Custoias 22:03
    Acordo histórico entre a Turquia e a UE. Os Turcos irão receber todos os imigrantes econômicos que chegarem à Grécia, e em troca a UE compromete-se a acelerar o processo de adesão à UE. Conclusão: no lugar de uns bons milhares de muçulmanos dentro da Europa, iremos ter um país com cerca de 76 milhões de alogenos dentro do nosso "espaço vital". Assim se firmam os acordos da traição! Quantos jhiadistas não andam por aí disfarçados?
  • Paulo
    18 mar, 2016 Ny 20:11
    Na boa tradicao francesa GUILHOTINA com ele