A+ / A-
Reportagem

O povo do Porto e Marcelo estão numa relação. E não é nada complicada

11 mar, 2016 - 14:22 • André Rodrigues

Não é campanha, é Presidência. No Porto, Marcelo ignorou o perímetro de segurança, ouviu elogios aos seus olhos e prometeu enviar livros a uma senhora.
A+ / A-

Veja também:


Popular: “Olhe ‘mor, eu já pedi ao seu motorista para tratar bem de si!”

Presidente: “E ele decorou?”

Não é campanha, é Presidência. Dizer que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa aprecia furar o protocolo é já um lugar-comum. Mas, a cada novo dia, Marcelo dá novas razões para recorrer à frase feita. No Porto, esta sexta-feira, no terceiro e último dia de uma (longa) tomada de posse, Marcelo teve centenas de pessoas à sua espera. E retribuiu furando o protocolo.

Foi montado um perímetro de segurança, mas Marcelo tratou de o desmontar. Depois do discurso na Câmara do Porto, desceu até à Praça General Humberto Delgado, rodeando-se de centenas de pessoas.

“Marcelo, Marcelo, Marcelo!”, gritava-se. “Deixa-me chegar a ele, deixa-me chegar a ele!”, berrava-se. “Tem uns olhos lindos!”, declarava-se.

Marcelo, caminhando como podia por entre a multidão, lá ia respondendo “Obrigado”, “está bom, está bom”. A uma senhora prometeu enviar uns livros. Aos jornalistas, disse o que o cenário já dizia: “O Porto é sempre muito caloroso.”

Marcelo, o fura-protocolos, também sabe cumprir a agenda. Às 11h01, pontualidade rigorosa, chegou às imediações da Câmara do Porto. O vislumbre da viatura presidencial levou os populares aos aplausos e aos gritos de “Marcelo, Marcelo”.

O Presidente subiu uma das rampas que dá acesso à Câmara do Porto, cumprimentou "Manuel do Laço", conhecido adepto boavisteiro, e entrou nos Paços do Concelho (onde elogiou as gentes do Porto e disse não ser “uma fatalidade que Portugal esteja votado a ser pobre").

Marcelo diz que o Porto é "berço de liberdade e democracia"
Marcelo diz que o Porto é "berço de liberdade e democracia"

Depois, o chefe de Estado seguiu, de carro, para a Casa do Roseiral para um almoço formal e restrito com o presidente da Câmara do Porto. A agenda de Marcelo no Porto passa ainda por uma homenagem a Paulo Cunha e Silva, o vereador da Cultura da Câmara do Porto falecido em Novembro passado, e pelo bairro do Cerco, onde haverá um concerto do projecto OUPA!.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Casimiro
    11 mar, 2016 Alverca do Ribatejo 17:40
    O Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa habituou-se aos portugueses, que também se habituaram a ele, ao longo dos anos em que foi rosto e voz de Portugal, dos portugueses e não só, nos canais de Comunicação Social, sobretudo nas televisões e rádios. Já está a demonstrar que é e será sempre um Presidente da República emotivo, sensível à relação com o povo e as populações, quiçá, comprometido com Portugal e com os portugueses. É um homem que se inspira no sentir do seu povo, por isso, Portugal, os portugueses e não só, terão muito a ganhar com a sua Presidência. Fernando Casimiro (Didinho) 11.03.2016
  • Gabriel Sahlean
    11 mar, 2016 Povoa de Santa Iria 16:23
    A falta de cultura e conhecimento trás em qualquer notícia estes comentários. Más todos podem se expressar livrament.
  • Rui
    11 mar, 2016 Porto 15:14
    Eu sou povo do Porto e com este clown mediático não estabeleço qualquer relação.
  • JP
    11 mar, 2016 Lisboa 15:06
    Nesta ida ao porto só faltou Marcelo ir a cavalo e estar um dia de nevoeiro. Mas o presidente alerta para o sebastianismo que o centrão anseia restaurar.