Tempo
|
A+ / A-

Bragança. Centro de restauro de arte sacra quer evitar intervenção de “curiosos” ou “santeiros"

11 mar, 2016 - 11:17 • Olímpia Mairos

O centro de restauro de arte sacra da diocese de Bragança-Miranda completa um ano de existência e assinalou o aniversário com uma formação em conservação preventiva.

A+ / A-

Nasceu da vontade de assegurar uma resposta “transversal e pluridisciplinar”, para conservação e inventariação do património religioso, e neste primeiro ano de actividade, o centro de restauro de arte sacra da diocese de Bragança-Miranda já restaurou cerca de três dezenas de peças de arte sacra.

“O destaque vai para recuperação de altares e a escultura. No entanto, já foram feitas intervenções em pintura ou tectos policromados, sendo que as intervenções são sempre efectuadas por técnicos especializados”, refere a directora do centro, Lília Pereira da Silva.

Não foram apenas as unidades pastorais da diocese a recorrer aos serviços do Centro de Arte e Restauro sediado em Sendim, no concelho de Miranda do Douro. Também particulares aproveitaram para restaurar e conservar diversas peças.

A unidade está dotada um colégio científico que, segundo os seus impulsionadores, é “pioneiro” a nível nacional.

Lília Pereira da Silva nota que “cada vez mais, os responsáveis pela arte sacra estão sensibilizados para a intervenção especializada, o que faz com que a peça dure mais tempo”, garantindo que no centro “todas as intervenções seguem os preceitos enumerados pela ética da conservação e restauro, evitando a intervenção de curiosos ou santeiros”.

A unidade de restauro e conservação diocesana serve também de apoio e aconselhamento aos sacerdotes e comissão fabriqueiras, sempre que seja necessário, no âmbito de intervenções nas igrejas ou na estatuária.

“Pretendemos que as comunidades tenham confiança em quem entregam as peças para restaurar”, afirma o presidente da Comissão de Arte Sacra da diocese de Bragança-Miranda, padre António Pires, realçando que “sobram avisos de intervenções que não foram bem executadas num passado recente”.

Para assinalar o primeiro aniversário do centro, teve lugar na quinta-feira uma acção de formação em conservação preventiva que conta com diversos especialistas, que explicarão “técnicas básicas de conservação de acervos históricos e artísticos”. A iniciativa contou com mais de uma centena de pessoas inscritas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+