"Portugal está bem entregue". Marcelo acaba o dia rodeado de crianças e música

10 mar, 2016 - 02:18 • Inês Rocha , Ricardo Fortunato

"Marcelo, Marcelo! Anselmo, Anselmo!" Os nomes quase se confundiam nas vozes da multidão que se concentrou, esta quarta-feira, nos Paços do Município. Muitos curiosos quiseram ver de perto o novo Presidente da República; outros aproveitaram o momento para ouvir os êxitos dos seus artistas preferidos. Marcelo não arredou pé e rodeou-se de crianças para assistir aos concertos. O público encheu de elogios o Presidente "próximo do povo". Anselmo Ralph sintetizou: "Portugal está bem entregue".

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Tavares
    10 mar, 2016 PT 15:31
    O COMENTADOR DA PARTIDOCRACIA É AGORA O SEU GUARDIÃO Durante décadas na Rádio e na TV, o prof. Marcelo criticou os políticos, mas nunca criticou o jogo viciado que sustentou esses políticos. Criticou muito os governos, mas nunca criticou este sistema político que só produz desgovernos. Nunca falou da corrupção. Mesmo na campanha eleitoral, evitou falar nela. Sempre evitou falar do sistema político. Desviava sempre o discurso para longe da ideia de que os problemas de desgoverno se devem à falta de escrutínio sobre os políticos. Nunca fez notar que o sistema eleitoral de Portugal não é normal, no contexto europeu. Sempre insinuou que o sistema político e eleitoral estão muito bem como estão - só os políticos e partidos é que são muito maus, vá-se lá saber porquê... Agora que conseguiu fazer-se eleger para PR, cumprirá o mesmo papel que os seus antecessores: ser o guardião da partidocracia, contra os cidadãos e contra o escrutínio democrático. Velará por este sistema político bloqueado à participação dos cidadãos e que trouxe Portugal à situação actual. Naturalmente, nunca se verá algum dos continuadores de Marcelo no "comentário político" tocar neste tema: pesquisem a nota FB "O que sustenta a partidocracia é o sistema eleitoral".