A+ / A-

Reacções ao discurso de Marcelo: das "boas intenções" ao "grande sentimento de unidade"

09 mar, 2016 - 12:12

Perante mais de 500 convidados, Marcelo Rebelo de Sousa tomou posse como Presidente da República, jurando a Constituição de 1976 numa Assembleia da República decorada com cerca de duas mil rosas com as cores da bandeira nacional.
A+ / A-

Veja também:


O novo chefe de Estado prometeu que será o Presidente de "todos sem excepção", do princípio ao fim do mandato, sem querer ser mais do que a Constituição permite ou aceitar menos do que a Lei Fundamental impõe. As reacções políticas ao seu primeiro discurso surgiram ainda no Parlamento.

O primeiro-ministro, António Costa, disse que "todos" os portugueses se podem "reconhecer" nas palavras proferidas esta manhã por Marcelo Rebelo de Sousa no seu primeiro discurso como Presidente da República. "O Presidente da República falou por todos nós. Hoje é dia de o escutarmos e não falamos. Acho que foi um discurso em que todos nos podemos reconhecer, um sinal importante da função essencial do Presidente da República de unir os portugueses para servirmos Portugal", advogou em breves palavras aos jornalistas.

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou que Marcelo Rebelo de Sousa soube "puxar pela auto-estima dos portugueses" no seu discurso após tomar posse como Presidente da República. "É um Presidente da República que assume a história de Portugal como um todo. Olha Portugal como uma só nação independentemente das diferenças entre cada um e nesse sentido é um discurso nacional que é o que se espera de um chefe do Estado", afirmou.

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, diz que "não basta ter boas intenções, é preciso uma prática" e que, do discurso do Presidente da República, sobra a questão central de como se concretizam as aspirações dos portugueses. "Foi um discurso que faz um esforço para ir ao encontro daquilo que são preocupações da maioria dos portugueses com o seu futuro, vidas, direitos. Mas sobra sempre uma questão central: como é que se efectiva, como é que se concretizam essas aspirações que no nosso povo tem?", questionou.

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, considerou que foi um discurso "muito mobilizador" para as tarefas dos políticos e de todos os portugueses. "Foi uma intervenção preenchida com grande sentimento de unidade nacional, com uma grande esperança na capacidade reformadora do povo português, na sua capacidade de se reinventar e enfrentar os desafios que tem pela frente do ponto de vista económico e social, para fazermos um país mais igual, que garanta oportunidades a todos", afirmou.

A deputada do partido ecologista "Os Verdes" (PEV), Heloísa Apolónia , sublinhou um discurso "muito focado" na Constituição. "Esperamos que não fique por palavras e que nos actos concretos do senhor Presidente da República ele tenha em primeira conta a Constituição da República Portuguesa, que está repleta de valores que têm sido durante muitos anos violados, designadamente na área social, trabalho, ambiente, educação e saúde", vincou a parlamentar ecologista.

A porta-voz do BE, Catarina Martins, disse aguardar pelo mandato do Presidente da República, que espera que seja o garante da Constituição e soberania, dizendo que os falsos consensos do "centrão político" foram parte do problema. Considerou que o discurso do chefe de Estado "tem, em boa medida, uma visão conservadora do país, mas que tenta fazer pontes para todos os sectores". Para Catarina Martins, "na democracia o diálogo muito amplo, muito aberto é fundamental", mas "é fundamental também a escolha que se faz em cada momento".

O líder parlamentar do PS, Carlos César, elogiou o discurso do Presidente da República sobretudo os parâmetros em torno dos quais devem ser procurados consensos que compatibilizem finanças sãs e justiça social. "Gostei particularmente da referência à nossa dimensão nacional, à nossa dimensão atlântica, à nossa dimensão universal, à necessidade de afirmarmos com qualidade a imagem do país no exterior e simultaneamente à necessidade de, na nossa política interna, sermos capazes de construir consensos que associem finanças sãs ao crescimento económico, ao crescimento do emprego e sobretudo à justiça social", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alberto
    09 mar, 2016 Gaia 16:11
    A hipocrisia dos partidos da esquerda não tem limites, nem na tomada de posse aplaudiram o novo PR, que não aplaudissemo seu discurso,nãoera de admirar, mas, natomada de posse, é muito lamentável, vemos qui que tudo o que vem da seu extremismo, não serve. Os escrupulos não saem da suaalgibeira!
  • luciano ildefonso
    09 mar, 2016 faro 14:48
    Não votei nele, mas espero que ouça todos os portugueses....merecemos um presidente ativo, que faça levantar a moral do povo....
  • Carlos Costa
    09 mar, 2016 Santarem 14:37
    Na tomada de posse do novo Presidente da República,a esquerdalha,comunas e bloco de esterco,estiveram no seu melhor não aplaudindo o Sr Presidente da República.É claro que Marcelo é demasiado grande para esta gentalha que não o merece!!!!