Tempo
|
A+ / A-

​Elísio Summavielle à Renascença: "Quero recentrar o CCB na cultura da cidade e do país”

01 mar, 2016 - 00:21 • Maria João Costa

O novo presidente do conselho de administração do Centro Cultural de Belém, que sucede ao exonerado António Lamas, quer apostar no reavivar da programação do CCB, manter um convívio são com a Fundação Berardo e desenvolver uma cumplicidade activa com a autarquia de Lisboa para repensar a zona de Belém.

A+ / A-

É um “desafio grande” e “estimulante”, desabafa Elísio Summavielle, em entrevista à Renascença. O novo presidente do conselho de administração do Centro Cultural de Belém (CCB) sucede a António Lamas, a quem o ministro da Cultura João Soares entregou esta segunda-feira à noite o despacho de exoneração do cargo.

Summaviele fala de um “convite generoso”. O até aqui adjunto do ministro da Cultura e ex-secretário de Estado da Cultura do Governo de José Sócrates traça como um dos seus primeiros objectivos: “Reavivar a vida do Centro Cultural de Belém e a sua programação”.

Em entrevista à Renascença, diz estar apostado em “tentar conjugar esforços em toda a zona de Belém, aproveitando o que há de bom e o mérito do trabalho que foi desenvolvido para dar um mapa a Belém e, sobretudo, ao CCB como pólo importante da nossa cultura”.

O novo responsável recorda que foi quando estava à frente do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar) que o edifício do CCB foi classificado como monumento nacional.

Belém e Berardo

Uma das questões da discórdia do ministro da Cultura, João Soares, e do agora exonerado presidente do CCB é o eixo Belém-Ajuda. Há muito que se fala no repensar da relação dos diferentes equipamentos culturais daquela zona de Lisboa, equipamentos esses que estão sob alçada de diferentes tutelas.

A António Lamas tinha sido encomendado um estudo, plano esse que foi classificado pelo ministro da Cultura como um “disparate total” devido à ausência de diálogo com a Câmara de Lisboa.

Questionado sobre a aposta para a zona de Belém, Elísio Summavielle é claro: “É um trabalho que será desenvolvido com a cumplicidade activa da Câmara de Lisboa” e no qual será “necessário juntar esforços para dar mais personalidade aquela zona da cidade”.

O novo presidente do CCB recorda que foi consigo, quando era secretário de Estado da Cultura, que foi iniciado o trabalho de diálogo entre as várias instituições de Belém.

Diz que irá aproveitar parte do trabalho já desenvolvido por António Lamas. “O trabalho que está feito e é positivo deve ser aproveitado, bem como todo o esforço de investimento que foi feito em levantamentos e tudo o que existe de documentação” será revisto e aproveitado, garante o historiador de formação.

Para a zona de Belém, sabe a Renascença, Elísio Summavielle defende a criação de uma associação que junte todas as instituições locais e que tenha uma coordenação com três a quatro elementos.

Em entrevista à Renascença, o novo responsável do CCB sublinha que “o que interessa é encontrar uma solução que envolva a cidade, a Câmara de Lisboa em primeiro lugar, o Ministério da Cultura, o da Defesa com a Marinha e a EDP, com a Fundação EDP, e todo esse universo de agentes numa ideia que só poderá beneficiar todos e que não os feche nas suas próprias instituições”.

Sobre a relação com a Fundação Berardo com quem a Fundação CCB partilha o espaço, Summavielle é categórico. Pretende “manter um convívio são e profícuo”.

O homem que esteve envolvido em projectos com a Lisboa 94, Capital Europeia da Cultura diz que se preocupa, sobretudo , com “a vida do próprio CCB e esse polo de áreas vastíssimas da cultura”.

Summavielle está mais apostado na juventude e em todas as artes, do livro, à literatura, da música, ao cinema que admite tem estado “tão ausente” ou das artes plásticas tão presentes no Museu Berardo.

Como será a programação do CCB

Questionado sobre que estilo quer adoptar como presidente do conselho de administração do CCB quanto à programação, Elísio Summavielle assume que “o presidente tem sempre a sua presença e o seu cunho pessoal”.

Evocando a experiência de anteriores responsáveis daquele equipamento cultural como António Mega Ferreira ou Vasco Graça Moura, Summavielle acrescenta que não tenciona prescindir de chamar a si a programação, mas ressalva: “Tudo o que fiz na vida foi ouvindo as pessoas, aconselhando-me, procurando encontrar consensos”.

Por isso, diz que terá uma “presença activa”, mas contará com “a colaboração de todos os que lá trabalham e de alguns a quem possa pedir conselhos”. É com esta programação que Summavielle conclui, quer “recentrar o CCB na cultura da cidade e do país”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    03 mar, 2016 palmela 02:16
    ja 5000 pessoas assinaram uma petiçao publica para demitir o ministro da cultura se eu me der na mona podemos passar a 50001
  • SALOIO
    01 mar, 2016 LISBOA 10:41
    os piegas têm vergonha das minhas criticas
  • A.Santos
    01 mar, 2016 Santarem 10:20
    Mais um"BOY"para o tacho.......!
  • Miguel
    01 mar, 2016 Faro 09:24
    Este é o problema de Portugal. De cada vez que há um novo governo de um partido diferente muda-se tudo. E com este tipo de atitude nunca existirá evolução. Portugal nunca há-de sair da cêpa torta
  • Fil P
    01 mar, 2016 Braga 08:52
    Mais um tacho pró amigo!!!!! Sou apartidária, não acredito mais na classe politica actual, são farinha do mesmo saco!!!!!! mas reconheço que a grande "nódoa" do actual governo é, precisamente, ter como ministro João Soares. Um menino do papá, um arrogante e um imbecil!
  • Joao
    01 mar, 2016 Lisboa 08:47
    Sempre de braço dado com o sr João Soares. Os tachos são sempre pros mesmos. Não entendo é aquela conversa de colocar alguém jovem no poleiro.Nao me parece que este senhor seja jovem, é mais jovem que o Sr Soares mas daí a ser jovem!!
  • Madala
    01 mar, 2016 évora 08:41
    Democracia xuxialista!?. Mais um boy... pensei que ele lá fosse pôr o pai. ....
  • bintoito
    01 mar, 2016 penteado 08:19
    Este vai-se mudar para o Casal Ventoso e dar umas voltas por aí na carroça da geringonça.

Destaques V+