A+ / A-

Governo pede inquérito à alegada prática de eutanásia no SNS

29 fev, 2016 - 10:38

Em causa estão as declarações feitas pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros à Renascença.
A+ / A-
Bastonária dos Enfermeiros. "Eutanásia já é praticada nos hospitais públicos"
Bastonária dos Enfermeiros. "Eutanásia já é praticada nos hospitais públicos"

O Ministério da Saúde quer que seja aberto um inquérito para averiguar as declarações da bastonária da Ordem dos Enfermeiros na Renascença sobre a alegada realização de eutanásia no Serviço Nacional de Saúde.

"Considerando as declarações proferidas pela sra. bastonária da Ordem dos Enfermeiros sobre alegadas práticas de eutanásia no Serviço Nacional de Saúde, o ministro da Saúde solicitou, com carácter de urgência e tendo em vista o cabal esclarecimento dos cidadãos, uma intervenção da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde com vista ao apuramento dos factos", lê-se no comunicado enviado às redacções.

A nota acrescenta que o "Ministério da Saúde reafirma a sua total confiança nas instituições e nos profissionais do Serviço Nacional de Saúde".

Este sábado, no programa “Em Nome da Lei”, da Renascença, a bastonária dos enfermeiros, Ana Rita Cavaco, afirmou que a eutanásia já é sugerida por médicos do SNS.

"Vivi situações pessoalmente, não preciso de ir buscar outros exemplos. Vi casos em que médicos sugeriram administrar insulina àqueles doentes para lhes provocar um coma insulínico. Não estou a chocar ninguém, porque quem trabalha no SNS sabe que estas coisas acontecem por debaixo do pano, por isso, vamos falar abertamente. Não estou a dizer que as pessoas o fazem, estou a dizer que temos de falar sobre essas situações", concluiu.

A Ordem dos Médicos já veio considerar essa afirmação “gravíssima”, uma vez que envolve médicos e enfermeiros na alegada prática encapotada de crimes de homicídio.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Indignado
    04 out, 2016 Tomar 13:48
    Não me espanta que assim seja..., afinal a mentalidade dominante, que está por detrás da mentalidade pró-aborto, é a dos socialistas, sejam alemães, soviéticos ou chineses: o que incomoda, mata-se!
  • João
    29 fev, 2016 Portalegre 11:42
    A propósito de não estar aprovada a eutanásia gostaria de saber senhores jornalistas quantas pessoas são enviadas anualmente de volta para casa para morrer em situações deploráveis/horrendas devido à falta de recursos...
  • Joca
    29 fev, 2016 Oeiras 11:33
    Numa primeira fase, que está em causa e poderá tudo clarificar, é saber qual é o conceito de eutanásia da Sra Bastonária. Pelo que ouvi, como simples cidadão, fiquei confuso com os termos, coma induzido com insulina, coisas que se passam por baixo do pano e já antes faladas em público, etc, seria importante que a Sra, Bastonária clarificasse estas afirmações para serenar alguns espíritos que poderão ter ficado confusos e perturbados.
  • aline bartolomeu
    29 fev, 2016 lisboa 11:29
    Não me admira nada o que a Srª Bastonaria disse. Pois em Novembro de 2008 a minha mãe faleceu e o medico disse-me a mim e a minha filha que ela teve uma paragem cardiorespiratória, mas que não fez a reanimação , por opção, porque emla ( minha mãe) iria sofrer muito.
  • Madala
    29 fev, 2016 évora 11:24
    Afirmação parva! Com certeza que o fazem quando o tempo está demasiado tempo em coma e a família o autoriza. Deve ser responsabilizada pela afirmação estúpida que faz.
  • Jose
    29 fev, 2016 Alcobaça 11:21
    Pergunta , a Eutanásia que é praticada nos hospitais públicos também é aplicada a políticos caso seja só au Zé povinho ai eu descordo e digo para ser válido : 1 para todos e todos para 1 .
  • Luis
    29 fev, 2016 Lisboa 11:10
    Fomos, somos e vamos continuar a ser, por muitos anos, um País de publicas virtudes e de vicios privados. O que a bastonária disse é novidade para toda a gente? Concerteza que não é. Porque é que agora há tanta virgem ofendida a proclamar a sua virtude? É como a direita preocupada com os investidores por o governo ser de centro esquerda. Nunca se preocuparam com os investidores quando os seus "compadres" assaltavam de dia e à vista desarmada a banca. Um Pais de virgens e de inocentes, todos bons chefes de familia , praticantes devotos e todos muito "Ernestos"..