Tempo
|
A+ / A-

Galriça Neto apresenta moção contra a eutanásia

26 fev, 2016 - 21:29 • Eunice Lourenço

Deputada do CDS entregou moção sectorial em que defende melhoria dos cuidados de saúde.

A+ / A-

O CDS pode tomar uma posição contra a eutanásia no congresso que vai decorrer nos dias 12 e 13 de Março em Gondomar. Uma das moções sectoriais, levada ao congresso pela deputada Isabel Galriça Neto, rejeita a eutanásia ou o suicídio assistido e defende e melhoria dos cuidados de saúde.

“Criar o “direito a morrer” poderia facilmente desembocar num “dever de morrer”, junto de pessoas mais vulneráveis, como idosos desamparados e isolados, que, sentindo-se um fardo na sociedade, seriam levados a crer que as suas vidas são menos dignas e não valem a pena ser vividas”, escreve a deputada na moção que também é assinada por Teresa Caeiro e Pedro Mota Soares.

Galriça Neto leva, assim, ao congresso do CDS um tema que entrou na agenda política depois de, no dia 6, ter sido lançado um manifesto pela morte assistida, assinado por personalidades de vários sectores de actividade e de várias áreas políticas.

“Convém sublinhar que a questão da eutanásia não é uma questão médica, e que legalizá-la minaria completamente a relação de confiança desejável dos doentes nos seus médicos, e alteraria profundamente as bases de um código deontológico milenar que tem como valor estruturante “não matar”. O médico deve ajudar a viver até morrer, e não ajudar a matar”, lê-se na moção entregue esta sexta-feira.

Isabel Galriça Neto lembra que foi o CDS a liderar a criação de uma lei de bases dos cuidados paliativos e defende que se mantena o “desenvolvimento sustentado” de redes de cuidados continuados e de cuidados paliativos.

“Os Cuidados Paliativos não servem para “ajudar a morrer”, para encurtar a vida das pessoas, não são uma antecâmara da morte, não se destinam apenas a moribundos, e não são uma espécie de “mão na mão” ou “amor e carinho”. São verdadeiros cuidados de saúde, que exigem preparação rigorosa e treino dos profissionais que os prestam, que intervêm activamente nas diferentes dimensões do sofrimento humano associado a doenças graves – e não apena nos sintomas físicos – e que aumentam a qualidade de vida e não a encurtam, melhorando reconhecidamente o apoio às famílias”, escreve a deputada que também é médica especializada, precisamente, nesta área.

A moção defende também que seja criada a especialidade de Cuidados Paliativos tanto na carreira médica como na de enfermagem. E propõe que sejam desenvolvidos esforços para dar mais apoio e assistência aos cuidadores em ambiente domiciliário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Antunes
    07 dez, 2016 Lisboa 01:34
    Sou médica e estou muito convicta que o meu dever é salvar vidas e oferecer-lhes a melhor qualidade de vida possível . É fundamental a família participar activamente , com muita entrega no apoio em dar a melhor qualidade de vida possível . Cada vida tem um valor infinito em si própria , em qualquer fase da vida mantém-se o seu valor.
  • AIDA NOGUEIRA
    07 mar, 2016 LISBOA 00:11
    Completamente de acordo! Ajudar a viver melhorando os cuidados de saude!
  • Álvaro de Jesus
    27 fev, 2016 Porto 01:08
    Concordamos, em absoluto, com o exposto, mas deixamos duas perguntas: - Por que razão não abordais, directamente, a questão Espiritual? - Por que motivo não falais da Carta de Vida que é elaborada por todo o Espírito que prepara a sua Reencarnação, na qual ele inscreve tudo o que deseja viver aquando de sua nova experiência Humana, incluindo como e quando deseja desencarnar? Falamos na Reencarnação, pois as Cartas de Vida das nossas primeiras Encarnações são sempre elaboradas pelos nossos Amados Guias, por não termos conhecimento nem capacidade para as fazer. Muito Obrigado! Álvaro de Jesus Sacerdote da Ordem Melquisedeque
  • antonio jose mendes
    26 fev, 2016 mira 22:52
    Nunca admitirei que quem quer que seja se imiscua na minha esfera privada.A favor ou contra é do livre arbítrio de cada um.A senhora faz como quiser e entender e eu idem idem. Não dou palpites nem quero que ninguém creia naquilo que eu acredito.
  • Maria Correia
    26 fev, 2016 LOURINHÃ 22:20
    Concordo plenamente com a Dra. Isabel Galriça Neto.
  • Acacio Pita Negrao
    26 fev, 2016 Lisboa 22:19
    Esta clínica Geral é una pseudo especialista de cuidados paliativos que acendeu ao estrelato através do CDS. Nao faz idea do que fala
  • Pedro
    26 fev, 2016 Bencatel 22:18
    Penso que existe muito cinismo em todas estas tomadas de posição.
  • Carlos Gonçalves
    26 fev, 2016 Seixal 22:13
    Não é por aí minha senhora. Mesmo com cuidados de saúde EXCECIONAIS, tenho o direito de querer morrer quando quiser e como quiser e você ou pessoas como você não podem nem devem mandar na vontade dos outros como se fossem os donos dos outros e da verdade!!!

Destaques V+