Tempo
|
A+ / A-

Táxi/Uber. Caldeira Cabral dá "uma no cravo e outra na ferradura"

24 fev, 2016 - 22:02

“Temos de ter uma concorrência equilibrada", diz Caldeira Cabral, sem deixar de lembrar que não se deve impedir que haja "novos tipos de serviços”.

A+ / A-

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, mostrou-se evasivo sobre a questão da Uber, declarando que é preciso evitar concorrência desleal e evasão fiscal, mas também permitir que existam novos serviços para os utilizadores.

“Temos de ter uma concorrência equilibrada, temos de ter igual requisito de legalidade a todos os intervenientes, temos de estar abertos a novas formas de concorrência, temos de ter consciência de que não é por decreto que elas são anuladas e temos de trabalhar em todos os sectores, mas também no sector dos táxis e do transporte de passageiros, para que haja uma regulação que garanta que não há evasão fiscal, que garanta que não há desigualdade na concorrência, mas haja também uma regulação que não impeça novos tipos de serviços”, disse o ministro.

Cerca de 200 carros pararam em protesto nas imediações do aeroporto da Portela depois de um incidente que terá envolvido um motorista da Uber. Tentaram depois falar com o primeiro-ministro António Costa, mas o encontro não se realizou.

Já a empresa que gere o serviço Uber em Portugal considera que os taxistas, que protestam no aeroporto de Lisboa, têm direito a manifestar-se de forma pacífica e mostrou-se disponível para dialogar com os operadores no sector da mobilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 29 abr, 2016 10:43
    Por mim os taxistas podem acabar todos. Arranjem um trabalho honesto. Ninguem sente simpatia por taxistas. Na entrevistas na televisao no protesto de marcha lenta, quando o reporter tentava falar com eles, era quase ofendido, e quando respondiam, era sempre com uma mà educaçao impressionante ! Taxistas sao massa bruta e vi alguns na televisao que nem de graça me apanhava no taxi ! Tinha uma cara de cigano impressionante. Ainda bem que apareceu a UBER. Pois ja fazia falta acabar com esta pouca vergonha dos taxis. De vez em quando a policia judiciara prende taxistas que enganam pessoas no aeroporto. Deve ser de serem honestos...taxistas o vosso fim està próximo.
  • Porconta
    01 mar, 2016 Porto 18:48
    O que não posso aceitar é que apareça algum xico esperto através de falhas na legislação alterar as regras País, que eu saiba concorrencial é um Taxista fazer mais barato do que outro, ou alem do simples transporte oferecer melhores condições para o serviço, mas para exercer a profissão tem de ter alvará que é cedido pelo estado a muito bom preço e obedecer as regras dos condutores profissionais aplicadas á profissão, e não posso aceitar que alguém se julgue concorrente quando não cumpre os requisitos, e fico muito espantado que um ministro ou secretário de estado tenha duvidas na hora de defender as leis aprovadas para o sector, se querem mudar as regras tudo bem mas assumam e mudem-nas para todos, e nesse caso acabam-se os taxis.
  • vida difícil
    25 fev, 2016 Santarém 21:45
    Pois é, os homens da solução para tudo na oposição já começam a vacilar é que isto de agradar a gregos e troianos tem que se lhe diga.
  • Luis
    25 fev, 2016 PdeM 16:49
    a Uber está para os taxistas , como o chineses está para o meu negócio... Temos pena mas só me vem 3 palavras á cabeça: "organizem-se e adaptem-se". Já não há negócios sem risco e o cliente tem sempre razão. Quer preço mas acima de tudo qualidade.
  • Fernando Cerqueira
    25 fev, 2016 Ponte de Lima 12:37
    Os homens do nim. Até aqui, tudo tinha solução, agora começa a ter de haver inteligência. Não há à venda.

Destaques V+