|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Orçamento "socialista, bloquista, comunista e verde é provisório”, diz Passos

23 fev, 2016 - 19:04

Embora o CDS tenha anunciado que irá fazer propostas de melhoria do Orçamento, Pedro Passos Coelho diz que o PSD não o fará, uma vez que se trata de um documento sem “arranjo possível”.

A+ / A-

Veja também:


O presidente do PSD classifica a proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) como um documento provisório e da única responsabilidade da “maioria socialista, bloquista, comunista e verde”, no encerramento do debate parlamentar na generalidade.

“A proposta orçamental passou então de expansionista a restritiva, nova palavra socialista para designar austeridade. Mas uma austeridade melhor, dizem, já que tem a marca socialista, bloquista, comunista e verde. E, como sabemos, para a nova maioria, verde, comunista, bloquista e socialista, o seu orçamento só pode ser ideologicamente melhor e mais puro do que qualquer outra coisa que já tenha existido", afirmou Passos Coelho.

Para o ex-primeiro-ministro, o documento, a ser viabilizado por PS, BE, PCP e PEV, com a abstenção do PAN e os votos contra de PSD e CDS-PP, "está ainda longe de conhecer a sua última versão, mas é apresentado como sendo o princípio do tempo novo que se quer viver no país".

"Este orçamento é mau e um presente envenenado para o país", disse Passos Coelho, justificando assim o voto contra do partido que lidera.

A discussão do OE2016 começou segunda-feira e será votado ainda esta terça-feira. O documento será depois analisado e discutido pelos deputados na especialidade, com debates marcados para 10, 14 e 15 de Março e a sua votação final global em 16 de Março.

Embora o CDS tenha anunciado que irá fazer propostas de melhoria do Orçamento, Pedro Passos Coelho diz que o PSD não o fará, uma vez que se trata de um documento sem “arranjo possível”.

O unificador irónico

Passos Coelho acusou ainda o seu sucessor na chefia do Governo de fazer ataques pessoais e utilizá-lo como “elemento de agregação e união” e “factor de estabilidade” da nova maioria de esquerda.

Passo lamentou, que “estas obsessões” impeçam António Costa de fazer o seu caminho com a “elevação e a dignidade" esperada.

"Julga que acusando, insinuando, denegrindo o seu antecessor, resolve o seu problema de poder ser visto como quem usurpa o que não conseguiu conquistar por direito próprio e de poder, afinal, ter ficado apenas com uma réplica da verdadeira fonte de autoridade que precisa de destruir e aniquilar para que a falsificação não seja notada", afirmou o presidente do PSD.

Passos Coelho referia-se a declarações anteriores de Costa no sentido de elementos do PSD terem, alegadamente, movido "influências poderosíssimas, pelo menos em Bruxelas, para deixar ficar mal o Governo português e Portugal", segundo descreveu o próprio líder social-democrata, bem como das acusações de o anterior Executivo ter levado a cabo um "suposto embuste", junto das instituições europeias, "no âmbito da classificação de medidas de natureza temporária como tendo efeito estrutural".

"Fica-me, com alguma ironia, permita-me, a satisfação de verificar que parece que, juntamente com o ‘passismo’ – que não sabia existir e o senhor pretendeu ontem criar –, sou involuntariamente um factor relevante de estabilidade para o Governo de Portugal", continuou Passos Coelho.

Segundo o anterior líder da coligação PSD/CDS-PP, "apesar de estar na oposição, a cada debate que passa, percebe-se que uma ambição que não tinha se vem reflectindo na situação política do país".

"Estou, desproporcionada, imerecida e ironicamente, a transformar-me no principal elemento de agregação e união da curiosa diversidade partidária da maioria que o sustenta", afirmou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Patetico
    24 fev, 2016 Lx 14:30
    Quer á vida força continuar a ter atenção...na esperança de recuperar o poder...Isso já não vai acontecer PPC, você já era!!!! E já foi tarde!!!
  • PANTUFAS
    24 fev, 2016 LISBOA 04:03
    O ORÇAMENTO DA SEITA DA CATARINA MARTINS SO VAI BENEFICIAR OS CHULOS DA FUNÇAO PUBLICA QUE SAO UNS PARASITAS
  • Paulo
    23 fev, 2016 Lisboa 23:12
    Bom para já não houvimos o actual governo vir dizer "afinal por causa do banif e disto e daquilo do anterior governo não sabiamos de nada afinal estavamos mal informados esconderam debaixo do tapete bla bla e por isso temos muita pena portugueses mas vamos dar-vos cabo da vida sem do nem piedade com um brutal aumento de cortes doa a quem doer e quem começar com pieguices tem um bom remedio emigre", e isso já é um passo em frente.
  • Jorge Freitas Dias
    23 fev, 2016 Lisboa 22:55
    Este gajo está passado. O banho de oposição tem-lhe feito realmente muita mossa.
  • ILidio Vaz
    23 fev, 2016 Ponta Delgada 21:45
    Senhor Direitalhas revanchista. A maioria tem o direito democrático quer outra maioria qualquer. Tenha tino, não julgue que os seus direitos são mais direitos que os dos outros. A isso chama-se qualquer coisa como FACHISMO.
  • jacc
    23 fev, 2016 evora 21:41
    Porque nao te calas !!! Em 4 anos 4 orçamentos e quantos rectificativos ??? MUITOS quantas mentiras MUITAS. Quatro (2 subsidio de ferias e 2 de natal roubados a milhares de portugueses "calotes" alguns segurança social etc a qualidade do sr e tanta que basta perguntar quantos ex-pm se sentaram Assembleia Da Republica apos perderem eleiçoes
  • Paulo
    23 fev, 2016 vfxira 19:54
    Continua a destilar veneno sobre tudo e todos,o seu tempo durou 4 anos,agora passou á história.