A+ / A-

Activistas angolanos vão continuar em prisão domiciliária

19 fev, 2016 - 20:48 • Liliana Monteiro

Em declarações à Renascença, o advogado de Luaty Beirão diz que vai apresentar recurso da decisão.
A+ / A-

A justiça angolana decidiu esta sexta-feira que vão continuar em prisão domiciliária os activistas que estão a ser julgados por alegada preparação de um golpe de Estado contra o Presidente José Eduardo dos Santos.

O despacho de reavaliação da medida de coacção manteve a medida mais grave para os 14 arguidos.

O tribunal alega perigo de fuga e de continuidade da actividade criminosa.

A defesa não aceita a decisão e considera-a infundada. Em declarações à Renascença, Luís Nascimento, o advogado do activista Luaty Beirão, diz que vai apresentar recurso.

“O juiz manteve a medida de coacção que já pendia sobre os detidos: prisão domiciliária. Infelizmente, não tomei conhecimento da fundamentação do juiz, mas o meu colega Valter Tondela diz que não tem fundamentação jurídica. Teremos que interpor recurso da decisão do juiz, porque a fundamentação é inferior à que levou à medida de prisão preventiva”, explica Luís Nascimento.

O julgamento começou em Novembro do ano passado e contou já com pouco mais de uma dezena de sessões. Depois de um período de pausa será agora retomado na próxima semana, no dia 23 de Fevereiro.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.