|
A+ / A-

Nem todos os funcionários públicos voltarão às 35 horas a 1 de Julho

10 fev, 2016 - 14:33

Líder da UGT diz que o Governo está a fazer um levantamento para saber quais os sectores em que as 35 horas não vão ser já aplicadas.

A+ / A-

A lei das 35 horas não vai entrar em vigor para todos os trabalhadores do Estado ao mesmo tempo, garantiu esta quarta-feira o primeiro-ministro António Costa ao secretário- geral da UGT.

No final da reunião entre ambos em São Bento, Carlos Silva disse aos jornalistas que o Governo está a fazer um levantamento para saber quais são os sectores em que as 35 horas não vão ser aplicadas já em Julho.

O líder da UGT afirma que o Governo irá transmitir aos sindicatos em que sectores é que não será possível reimplementar as 35 horas nessa data.

“Não faz qualquer sentido que um trabalhador da administração pública tenha 40 horas e que o do balcão ao lado tenha 35”, afirmou Carlos Silva, acrescentando que “o levantamento será feito com o compromisso de ser acompanhado no processo negocial com os sindicatos”.

O secretário-geral da UGT voltou a fazer uma avaliação "globalmente positiva" do Orçamento do Estado para 2016, considerando que em relação à reposição gradual das 35 horas na função pública os sindicatos terão "bom senso e sensibilidade".

Num âmbito mais geral, admitiu ainda que a proposta de OE para 2016 mantém algumas políticas de austeridade, mas reforçou a ideia que já há algum "alívio" para os trabalhadores, reformados e pensionistas de menores rendimentos.

Carlos Silva recusou também a perspetiva que a proposta de Orçamento represente um "aumento generalizado de impostos", reafirmando que "há um retomar da capacidade dos trabalhadores de terem mais rendimentos".

"Os últimos anos foram bem piores para os trabalhadores", sustentou, considerando que o OE para 2016 "começa a abrir algumas portas de esperança", embora a austeridade não tenha terminado. "Não passámos do inferno ao paraíso", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luzia ConceiçãoMorei
    17 jun, 2016 porto 04:21
    sr dr Mário Centeno as 35 horas semanais não tem impacto nenhum nas nossas caras quantos anos não somos aumentados o trabalho cada vez é mais ponham-se no nosso lugar e depois viam o que era bom
  • Maria José Pimentel
    08 jun, 2016 Quarteira--Algarve 14:07
    Sou assistente operacional da função pública e gostaria de saber se tbm tenho direito às 35horas semanais, obrigada!
  • luzia conceição more
    26 mai, 2016 Campo-valongo 20:22
    gostava de os ver a entrar por uma urgência dentro e estar horas a espera para ser atendidos mas( NÂO? )são sempre os primeiros e nós pequeninos que esperemos que esperemos horas para sermos atendidos isto é uma vergonha chega de( mentiras)
  • Luzia Conceição More
    08 mai, 2016 Campo-valongo 21:24
    porque os mais pequenos não fazem as 35horas não somos todos funcionários da instituição ´´´´´´´´e que nós temos que viver com o misér salário que ali ganhamos os outros vão trabalhar para outros lados já andam cansados e nós os mais pequenos que aguentemos o cansaço de cada um
  • Francisco
    10 fev, 2016 23:32
    Não sei se esta gente tem conhecimento disso, mas desde 2004 que há muitos trabalhadores do estado (CIT) que sempre trabalharam 40 h. Seria isto justo? Muita gente fala dos FP no geral, mas não têm conhecimento que há muitos trabalhadores do estado que nunca trabalharam 35h, que não têm direito a ADSE e que descontam para a Segurança social. Com estes nunca se preocuparam os sindicatos da FP.
  • FS
    10 fev, 2016 Amarante 19:59
    Onde há mais falta de pessoal e onde mais se trabalha na função pública é precisamente onde se vai continuar a trabalhar mais…e a ganhar menos! Agora é que era preciso unidade entre todos!
  • Maria
    10 fev, 2016 Lisboa 17:48
    Havia empregados de 1ª (FP) e empregados de 2ª (Privados). Agora são empregados de 1ª a) 35h b)40h e empregados de 2ª alinea única todos lixados
  • Luis B.
    10 fev, 2016 Mirandela 16:05
    Curiosamente os Sindicatos de esquerda (só há de esquerda, porque será?) agora acham normal que as 35h sejam mais difíceis de eliminar do que se pensava.... ora que disseram eles quando o anterior governo fixou o trabalho semanal do privado igual ao do público, nas 40h? Que não podia ser e fizeram greves para protestar... Agora, candidamente, aceitam que uns possam ter 35h outros tenham 40h,m enfim, só lhes faltará dizer que a culpa é do anterior governo por ter feito o que tinha de ser feito (sou funcionário público, por isso não sou suspeito nesta matéria)... No resto veja-se também a hipocrisia deste sindicalista ao mencionar que os trabalhadores vão ter mais rendimentos, mas sem mencionar, que vão pagar mais por uma quantidade de coisas que são necessárias no dia a dia, como seja o combustível ou o imposto de selo nos bens adquiridos com empréstimos... A esquerda não existe. Existe sim uma elite de parasitas que vivem do discurso do "coitadinho" e dos "trabalhadores" mas que na vida nada mais sabem fazer...
  • DIABINHA
    10 fev, 2016 CANARIAS 15:55
    estao incomodados agora com isso......essa diferença ja existe desde que eles fizeram a alterção das 35 para 40......HA FUNCIONARIOS PUBLICOS QUE NUNCA TRABALHARAM AS 40 HORAS.....SEMPRE AS 35H........
  • PORTUGUÊS
    10 fev, 2016 BELEM PARÁ BRASIL 15:52
    ISSO É ALGUMA COISA? VALE PRA UNS, PRA OUTROS NÃO! SÃO AS TAIS MEDIDAS QUE SE ADAPTAM BEM AOS PENICOS. SÃO MUITO COMUNS NAS ESQUERDAS. NÃO SUPREENDEM NADA ,NEM A NINGUÉM. NÃO TRAZEM NADA DE POSITIVO A NENHUM PAÍS, E PRINCIPALMENTE A PAÍSES DE ECONOMIA INEXPRESSIVA.