|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

"Sim", "gradual" e "não posso responder". As três respostas do Governo às 35 horas em Julho

08 fev, 2016 - 18:41

A reposição das 35 horas na Função Pública está a motivar uma série de declarações desalinhadas entre primeiro-ministro, ministro das Finanças e secretário de Estado do Orçamento.

A+ / A-

Primeiro, foi o ministro das Finanças, Mário Centeno, em entrevista ao "Expresso", a não se comprometer com um calendário: “Não posso responder se avança este ano”. Depois, foi António Costa a garantir que a regra entraria em funcionamento em Julho. E agora é o secretário de Estado do Orçamento a dizer que a aplicação das 35 horas na Função Pública "será gradual".

João Leão afirmou esta segunda-feira, à Lusa, que a reposição das 35 horas de trabalho na Função Pública será implementada de "forma gradual" a partir de Julho e desde que a medida "não implique um acréscimo de custos". A mesma ideia já tinha sido veiculada no domingo, através de um comunicado do Governo.

A reposição das 35 horas de trabalho, em substituição das 40 horas semanais em vigor desde 2013, é para "implementar de forma gradual na Administração Pública, para garantir que não há perturbação ao nível dos serviços e que não há acréscimo de custos, considerando a Administração Pública como um todo", afirmou João Leão.

Em entrevista à agência Lusa sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), entregue à Assembleia da República na sexta-feira, o secretário de Estado disse que a reposição das 35 horas "tem impactos que podem ser diferenciados" entre os diferentes serviços.

Nesse sentido, admitiu, "terão de se encontrar compensações ao nível de outros serviços, face aos que terão necessidade de acréscimo de custos".

No sábado, o primeiro-ministro, António Costa, defendia que as 35 horas de trabalho semanal para a função pública entra em vigor no dia 1 de Julho deste ano. A garantia foi dada numa sessão de esclarecimento sobre o Orçamento de Estado para 2016 com militantes e simpatizantes do Partido Socialista (PS), no Porto.

António Costa disse ter coleccionado primeiras páginas de jornais ao longo da semana em que decorreram as negociações. "Havia um que dizia assim: 'Governo adia as 35 horas para o fim do ano para satisfazer Bruxelas'. Não é verdade, as 35 horas entrarão em vigor no próximo dia 1 de Julho", afirmou o também secretário-geral do PS.

Antes, já o ministro das Finanças, Mário Centeno, em entrevista ao Expresso, não confirmou se a redução do horário de trabalho de 40 para 35 horas semanais na função pública avança já este ano.

Tal só acontecerá, segundo o ministro, quando foi possível "garantir do ponto de vista do Governo que esta medida se pode começar a aplicar, tendo garantias de não aumento da despesa".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jose Canudo
    09 fev, 2016 Moura 12:25
    Aumento de custos na reposição das 35 horas da função pública?Alguém me pode explicar como..... Quando foi para aumentar para as atuais 40,não houve houve aumento de custos por se fazer mais horas, bem pelo contrário, aumentaram as horas e o ordenado mentevese.E agora falam em custos na reposição.Alguem está a tentar enganar o pessoal? Não será , só necessário o escalonamento serviço a serviço do efetivo de pessoal de modo a que as trinta e cinco horas sejam garantidas no funcionamento do mesmo. Estamos a falar em só trabalhar menos uma hora por dia nos serviços, se eles antigamente trabalhavam 35 horas e agora 40 e o ordenado é o mesmo, onde estão agora os custos????????????????
  • Alquimista
    08 fev, 2016 Lisboa 19:05
    Então e os privados.... Uns filhos de Deus outros do Diabo....
  • antonio
    08 fev, 2016 lisboa 18:51
    se perguntarem a Ana Avoila, a dona disto tudo(função publica), ela sabe ....