A+ / A-

​Sampaio pessimista com crise de refugiados e com esperança em Marcelo e Guterres

27 jan, 2016 - 23:37

A decisão da Dinamarca de confiscar bens e valores de refugiados deixa antigo Presidente muito preocupado. Sampaio mostra esperança na candidatura da Guterres à ONU e no mandato de Marcelo: "Uma pessoa com tantas capacidades tem agora esta grande ocasião de demonstrar que pode ser estadista."

A+ / A-
​Sampaio pessimista com crise de refugiados e com esperança em Marcelo e Guterres
​Sampaio pessimista com crise de refugiados e com esperança em Marcelo e Guterres

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio confessa estar pessimista com a crise de refugiados e deixa elogios a António Guterres, candidato a secretário-geral da ONU, e ao Presidente eleito, Marcelo Rebelo de Sousa.

A decisão do governo da Dinamarca em confiscar bens e valores de refugiados deixam Jorge Sampaio muito preocupado.

"Isto não é a Europa, isto não pode ser a Europa do futuro, não é aquilo que ajudámos a construir", defendeu à margem da conferência internacional "Love Synapses -- Building Strong Children, Families and Communities", organizada pela Fundação Brazelton/Gomes-Pedro, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Por outro lado, apontou que se trata de uma "decepção" que deve unir todos os países de uma forma efectiva.

"Isto não tem soluções nacionais, isto não tem soluções xenófobas, tem soluções europeias e é esse desafio que está colocado perante nós", defende Jorge Sampaio.

O antigo chefe de Estado disse ainda que a cultura da tolerância passa pela família, pela escola, pelo local de trabalho e pelo espaço público, apontando que é preciso ensinar a tolerância.

"Não sei como será o mundo daqui a cinco ou a dez anos. Mas espero que possa olhar para trás e perceber (...) que conseguimos preservar os valores da democracia, dos direitos, da liberdade e da tolerância em que acreditamos e voltar a página conturbada das duas primeiras páginas do século XXI", concluiu.

“Boa esperança” em Marcelo

Jorge Sampaio felicitou Marcelo Rebelo de Sousa pela vitória nas eleições presidenciais, afirmando ter "boa esperança" em relação ao que ele pode fazer pelo país a partir de Belém e espera que ajude a “sarar feridas”.

"Os meus parabéns ao novo Presidente da República. Conheço bem do que se trata, nas circunstâncias actuais que são obviamente muito exigentes e muito difíceis, num país que está também em condições difíceis e muito exigentes", frisou o antigo chefe de Estado.

Na opinião de Jorge Sampaio, Marcelo Rebelo de Sousa "ganhou e ganhou bem", desejando que o agora eleito Presidente da República "tenha uma excelente presidência porque isso é importante para o sistema político português, para o sistema do Governo e para Portugal".

"Uma pessoa com tantas capacidades tem agora esta grande ocasião de demonstrar que pode ser estadista numa situação que é difícil e em que o revigoramento da função presidencial vai estar na ordem do dia", defendeu.

Guterres é “excelente candidato” à ONU

O ex-Presidente da República considera que António Guterres é um "excelente candidato" a secretário-geral das Nações Unidas e que é uma candidatura pela qual vale a pena lutar, mesmo não sendo um processo fácil.

Em declarações aos jornalistas, à margem da conferência internacional "Love Synapses -- Building Strong Children, Families and Communities, Jorge Sampaio congratulou-se com a candidatura do ex-Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados António Guterres a secretário-geral da ONU.

"Acho que era um passo que tem que ser dado. O engenheiro António Guterres é um excelente candidato por todas as razões que são conhecidas e ditas", apontou Jorge Sampaio.

Lembrou que a candidatura "é um processo difícil", defendendo, por isso, que haja um "empenhamento a sério" e lembrando que as "consequências estão obviamente dependentes de muitos factores externos que Portugal não controla".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Leite
    30 jan, 2017 Porto 20:47
    Bem nem sei se este meu comentário vai passar. no entanto com todo o respeito e sinceridade ele cá fica !!! Ora nesta globalização castrante, e destruidora para a HUMANIDADE, para um maçon e Bilderberg dizer que está preocupado com a postura da Europa para com os refugiados Sr .Jorge Sampaio meta em sua casa refugiados, com a super pensão que lhe pagamos com esse dinheiro pode ajudar centenas de famílias de refugiados, agora os dinheiros públicos os poucos que sobram e tanto esnanjamento com os nossos políticos e tanto roubo, o pouco que fica deixem.no para os milhares milhares de dempregados de famílias a passar tanta fome encoberta. . Quanto ao sr Guterres das GRANDES CAPACIDADES oh valha-nos DEUS não fosse ele Bilderberg e para ser isto tem que ser maçon, e nunca ele tinha chegado a onde chegou, se ele mostrar suas capacidades como mostrou como 1º ministro, caramba fujam todos! E também não tem importância que nada de jeito faça. afinal a ONU é uma grande criação Bilderberg, como a UE.OTAN, como a NATO, FMI.e outros....
  • Jorge
    28 jan, 2016 Mortagua 16:08
    A crise dos refugiados na Europa, não é deste ou daquele país isoladamente, é da UE como um todo, e não adianta agora encontrar culpados. A UE desde o começo cruzou os braços perante a crise que aumentava a cada dia, sem tomar nenhuma atitude, deixando Itália e Grécia, principalmente, ao Deus dará, como se o problema parasse neles. Como em outras ocasiões a UE fica estática perante os problemas, enquanto eles vão crescendo, só tardiamente tomam decisões, é "useira e vezeira" nessas coisas. Poderia ter parado a travessia do Mediterrâneo do outro lado, com a marinha de vários países a impedi-la e com diplomacia criar num ou em vários países do Norte da África, campos para esses mesmos refugiados com ajudas financeira e de segurança. A UE vai pagar mais uma vez por sua inépcia .
  • A. Moura
    28 jan, 2016 lx 10:04
    As palavras de Sampaio calam " fundo" na consciência sueca e dinamarquesa! Acho que as pessoas lá não dormem a pensar nestas palavras de alguém que "ajudou" a construir esta Europa! Bocejo.................................!
  • passado adiado
    28 jan, 2016 lisboa 05:39
    Sampaio desculpe lá, está a criticar a "casa do vizinho"?, da Dinamarca? Já olhou bem para a "sua"?!!! que justiça social existe cá? diga-me