|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Governo quer mudar equipa gestora da Caixa Geral de Depósitos

27 jan, 2016 - 12:29 • Sandra Afonso

Sindicato do sector já esperava mudança de cadeiras, que deve acontecer em Março ou Abril.

A+ / A-

O Governo não pretende reconduzir a actual gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD). O mandato da administração termina no início do ano e, segundo avança esta quarta-feira, o “Jornal de Negócios”, o executivo de António Costa prepara-se para substituir a equipa de José de Matos, o actual presidente, assim que fechar o Orçamento do Estado para 2016.

A Renascença já contactou o Ministério das Finanças que não comenta a notícia.

De saída estarão, entre outros, o presidente, José de Matos, e o número dois, Nuno Fernandes Thomaz.

Já o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo da Caixa Geral de Depósitos não se mostra surpreendido. O presidente, João Lopes, diz que aguardam a mudança de cadeiras para Março ou Abril.

“Encara-se com perfeita normalidade e até com alguma previsibilidade que isso venha a suceder. Já tínhamos a noção de que esta manutenção tinha que ver com a apresentação de contas do exercício de 2015, que é uma prática habitual nas empresas públicas, e que lá para Março ou Abril isso viesse a suceder”, explicou.

Nestas declarações à Renascença, o Sindicalista deixou ainda críticas à actual gestão, que, garante, não se demarcou do anterior governo.

“Foi uma gestão muito pautada por um cumprimento muito certinho das directivas do Ministério da tutela do anterior governo, tanto do Dr. Vitor Gaspar como da Dra. Maria Luída Albuquerque”, diz, acrescentando que a administração nunca assumiu “a plena independência que deveria ter e que os estatutos da Caixa lhe conferem”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.