A+ / A-
Reportagem

Maria de Belém. A noite eleitoral que nunca chegou a aquecer

25 jan, 2016 - 01:17 • Cristina Nascimento , Conceição Sampaio (fotos)

Desolação, tristeza, silêncio. Derrota de Maria de Belém foi recebida assim. Mas há esperança: é "uma pessoa que pode ser muito útil para Portugal".
A+ / A-

Veja também:


Os resultados oficiais ainda não tinham sido todos apurados, o relógio pouco passava das 21h00 e já a sala de apoiantes de Maria de Belém estava vazia. Maria de Fátima Jorge, amiga de faculdade da candidata, é o espelho dos apoiantes. "É uma pena este resultado", diz. Tem a tristeza estampada no rosto.

A sala na sede de campanha escolhida para acolher quem quis vir apoiar a antiga ministra da Saúde não era grande, mas chegou para acolher cerca de três dezenas de pessoas, entre as quais meia dúzia de caras conhecidas: João Soares, ministro da Cultura, Marçal Grilo, antigo ministro da Educação, João Proença, Manuel Alegre e também o padre Vítor Melícias.

"Vou como vim, um grande amigo de Maria de Belém e da família que partilha todas as horas", disse Vítor Melícias à Renascença. Na hora da derrota, não poupa nos elogios à socialista: "Em qualquer sítio para onde for chamada continuará a ser uma grande mulher e uma servidora das nobres causas, nos valores mais elevados, uma pessoa que pode ser muito útil para Portugal".

À hora das projecções, que punham Maria de Belém no quarto lugar, atrás de Marisa Matias, a sala ficou impávida. Poucos olhavam sequer para as televisões e os que olhavam não esboçaram qualquer reacção.

O primeiro sinal de alguma emoção chegou minutos mais tarde quando Vera Jardim, porta-voz da candidatura, falou. Reconheceu que "os resultados que se perspectivam” deixam a candidatura “muito aquém do que se pretendia”. Ainda assim, terminou com uma nota (minimamente) positiva: “Aguardemos serenamente o desenrolar dos resultados. Uma coisa é certa: foi uma campanha com dignidade e pela dignidade.” Ouviram-se os primeiros aplausos da noite.

Maria de Belém não tardou a reconhecer a derrota. "Saúdo o candidato Marcelo Rebelo de Sousa, novo Presidente da República.” Foi assim a declaração final da candidata. Uma declaração sem direito a perguntas dos jornalistas.

Dois minutos bastaram. Maria de Belém saudou Marcelo, "o novo Presidente"
Dois minutos bastaram para Maria de Belém fazer o seu discurso de derrota

O que faltou de esclarecimentos, sobrou de aplausos e, embora a hora não fosse de festa, não faltou o ramo de flores. Maria Leonor, uma das apoiantes que desde cedo esteve na sala, já trazia o ramo de flores preparado para a candidata. Questionamos a razão do “bouquet”. "São flores para uma grande senhora", limitou-se a dizer, depois de deixar claro que não queria falar sobre os números desta noite.

Voltamos a Maria de Fátima Jorge. "Antes de mais acho lamentável esta abstenção. É uma tristeza este resultado, uma pena, depois de tudo o que [Maria de Belém] deu a Portugal", continua, acrescentando que a candidata é "uma mulher fora de série".

De cerrada pronúncia do Norte, Maria de Fátima teorizava: a elevada abstenção revela um desalento mais profundo. "Eu não pertenço a nenhum partido, não vale a pena. Não que os políticos sejam todos maus… Se calhar é o que os portugueses merecem.”


legislativas 2019 promosite
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Julia Mendes
    26 jan, 2016 Lisboa 00:38
    Também fiquei desiludida e me entristeceu a derrota expressiva de Maria de Belém. Que tem um responsável: o PS de Costa, que, à boa maneira que o vem caracterizando, não se quis comprometer para ver no que dava e se fechou em copas como se nao apoiasse Sampaio da Nóvoa, mas que foi mandando ministros, familiares e amigos aos comícios do dito. A que estes obedeceram sem rebuço. Fica a atitude (feia) de Costa, mas a isso já nos vamos habituando. Resta a atitude digna de Maria de Belém, que, contra tudo e contra todos, manteve uma posiçao de lealdade aos valores que o PS transportava e de que tem andado tão arredado ultimamente.
  • Vasco
    25 jan, 2016 Santarém 18:12
    Maria de Belém aplicou-se demasiado a atacar Marcelo, acabou também por ser atacada por Sampaio da Nóvoa seu rival directo e praticamente assim passaram um e outro além da restante esquadrilha de esquerda a campanha eleitoral, foi apoiada apenas por uma pequena franja do PS e tudo isto acabou por desvalorizar ainda mais a sua candidatura e com os resultados destes dois candidatos acho que o PS bem merece esta compensação por tudo quanto tem vindo a praticar nestes últimos tempos.
  • Alegrete
    25 jan, 2016 Massa Má 16:08
    Coitada da Maria de Ninguém, tão cedo não se mete noutra! Eu sei que ela foi quase obrigada pelos barões/pahpões do partido a concorrer, mas caramba com a (suposta) experiência adquirida não via logo que ali havia água no bico? Mais tachos?
  • LUCIANO MACIEL
    25 jan, 2016 ALMADA 09:21
    Curiosamente, ou talvez não, é o PARTIDO SOCIALISTA que está cavando a sua própria sepultura. É bem feito, para quem quis abrir as brechas por dentro do "FAVO DE VESPAS" socializantes da treta, que agora obtiveram o resultado do REINADO que procuravam!...
  • Dr Xico
    25 jan, 2016 Lisboa 09:02
    Conforme escrevi aqui várias vezes, Maria de Belém não tinha noção da força que tem no país, da sua credibilidade como politica. O povo na sua imensa sabedoria tratou de lhe mostrar que o lugar dela é em casa a tratar dos netos. Pena que Manuel Alegre se mostre ressabiado com a vontade do povo de do PS. NÃO LHE FICA BEM A UM SENADOR .... TIVE PENA DELE E DE EDITE ESTRELA OUTRA BOY PERIGOSA DO PS