|
A+ / A-

Caso de doente que morreu à espera de cirurgia no S. José é "lição sobre cortes na saúde"

20 jan, 2016 - 11:11

Ministro da Saúde diz que o anterior Governo "tentou valorizar menos o impacto dos cortes" e tinha visão "relativamente fundamentalista dos cortes".

A+ / A-

O ministro da Saúde afirmou, esta quarta-feira, que o caso da morte de um jovem no hospital de São José é uma lição sobre os cortes e de como estes "não são perigosos pela sua plenitude, mas pela falta de selectividade".

Adalberto Campos Fernandes está a ser ouvido pela primeira vez na Comissão Parlamentar da Saúde como ministro da Saúde, numa audição solicitada pelo PCP a propósito do caso de David Duarte, que morreu na madrugada de 14 de Dezembro após ter dado entrada no São José com um aneurisma roto.

Para o ministro, que acredita que as investigações em curso irão esclarecer o que efectivamente aconteceu no atendimento do jovem, "havia que ter tido a atenção e diligência" de perceber que seria "pouco prudente" deixar de existir uma resposta, tal como havia até 2013.

Sobre os cortes orçamentais e o seu impacto na resposta da Saúde, Adalberto Campos Fernandes disse aos deputados que "é tão errado culpar os cortes, como dizer que não têm qualquer efeito".

"Em toda a parte do mundo, quando expomos um país a um quadro de empobrecimento, quando agravamos as condições de vida das pessoas, criamos condições para que a saúde das pessoas piore", adiantou.

Adalberto Campos Fernandes recordou que a união entre a pobreza e a doença é "o único casamento que não se dissolve". O ministro reconheceu que "os países não passam só por bons momento", defendendo que, " perante quadros de restrição financeira, há sempre a possibilidade de escolhas diferentes".

Sobre o anterior Governo, disse que este "tentou valorizar menos o impacto dos cortes" e que tinha uma visão "relativamente fundamentalista dos cortes".

Ainda sobre este caso da morte no Hospital São José, Adalberto Campos Fernandes lamentou a sua excessiva mediatização e afirmou que na gestão deste tipo de casos tem sido ofendida a dignidade de 120 mil profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"O SNS não é só algo que proclamamos em momentos festivos. É algo que os portugueses respeitam e temos de fazer alguma coisa para recuperar o prestígio e a boa imagem do sistema", disse.

Este caso está a ser apreciado na comissão parlamentar de saúde. O paciente, de 29 anos, morreu após ter dado entrada no São José com um aneurisma roto. Morreu depois de esperar três dias por uma cirurgia que urgente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JULIO
    20 jan, 2016 vila verde 12:54
    Estes da geringonç a fazer cubertura ao pé ssimo funsiunamento do parasitismo do estado deicham morrer poeque lhe fatam uns trocos ASSACINOS
  • Alberto Martins
    20 jan, 2016 Lisboa 11:54
    Pois é senhor ministro, além dessa morte e das mortes nas urgências e nas estradas(falta de condições do INEM) no Inverno de 2014/2015, devido aos cortes cegos na saude, muito para além do que a troyka exigia, temos também as mortes resultantes dos mesmos cortes e que não foram mediaticos... O sr. ministro não acha que no lugar de estar a atenuar a actuação do governo anterior nomeadamente o seu ministro da saude Dr. Macedo, deveria colocá-los em tribunal por Homicidio por negligência no minimo?