|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Faltam profissionais para acelerar reforma dos cuidados de saúde primários

13 jan, 2016 - 12:17 • André Rodrigues

Presidente da associação das USF espera que se abra um novo ciclo de desenvolvimento com o novo Governo e diz que, para já, os sinais são positivos.

A+ / A-

A associação das Unidades de Saúde Familiar (USF) considera que faltam enfermeiros e funcionários administrativos para acelerar a reforma dos cuidados de saúde primários.

A criação das USF começou há uma década, mas só pouco mais de metade da população tem acesso. "Nós só fazemos cobertura a 60% do país. Temos seis milhões de portugueses cobertos pelas USF. São 10 milhões, faltam-nos quatro milhões”, aponta João Rodrigues, presidente da associação.

Há actualmente mais de 400 unidades em funcionamento, mas do universo das 50 autorizadas pelo anterior ministro da Saúde, Paulo Macedo, em 2014, há ainda 20 candidaturas a USF que aguardam promulgação para iniciar funções.

Com o novo Governo, João Rodrigues espera que se abra um novo ciclo de desenvolvimento. Para este responsável, os sinais dados pelo actual ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, são positivos.

"O primeiro sinal foi a nomeação de um coordenador nacional para a reforma do Serviço Nacional de Saúde centrado nos cuidados de saúde primários e isto dá-nos garantias de que iremos iniciar um novo ciclo nesta nova legislatura."

A associação recomenda ao executivo que aposte na criação de USF, para que daqui a quatro anos os cuidados de saúde de proximidade cheguem a toda a população.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.