|
A+ / A-

Leilão de réplicas do Museu de Arte Antiga rende mais de 30 mil euros

11 jan, 2016 - 22:30

Pinturas tinha estado em exposição nas ruas de Lisboa.

A+ / A-

O leilão online de 27 réplicas de obras-primas do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) rendeu um total de 33.290 euros, segundo dados inscritos esta segunda-feira no site da leiloeira Palácio do Correio velho, em Lisboa.

O leilão encerrou no domingo à noite, depois de quatro dias de licitações, e o valor da venda das réplicas será usado pelo MNAA para a compra do quadro "A Adoração dos Magos", de Domingos Sequeira (1768-1837).

O museu lançou no ano passado uma campanha pública de angariação de fundos para comprar o quadro de 1828 a privados, por 600 mil euros.

No leilão online, as obras que atingiram valores mais elevados foram "Retrato de D. Francisco de Almeida", pintado no século XVI por um autor desconhecido, que rendeu 2.900 euros, seguida de uma vista panorâmica do Mosteiro dos Jerónimos e da praia de Belém, réplica da pintura de Filipe Lobo (1650-1673).

Esta réplica liderava as preferências dos licitadores desde o primeiro dia e acabou por ser arrematada no domingo por 2.800 euros.

Em terceiro lugar nas preferências surge outra obra de autor desconhecido também do século XVI, um "Retrato de D. Afonso de Albuquerque", que atingiu 2.700 euros.

As 27 réplicas que estiveram expostas nas ruas de Lisboa entre Setembro e Dezembro do ano passado, no âmbito da mostra ComingOut, organizada pelo MNAA, partiram para a licitação com uma base de cem euros cada.

O objectivo da exposição era divulgar as obras do acervo do museu, um dos mais importantes do país, numa grande proximidade com o público, seguindo um projecto que já foi realizado em Londres, no Reino Unido.

Algumas das réplicas das 30 obras-primas do museu foram furtadas durante os quatro meses que durou a exposição, o que não surpreendeu a organização, por se tratar de reproduções de alta qualidade e em escala real.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.