Guterres. Dez anos a falar pelos que não se ouvem

31 dez, 2015 - 07:00 • Catarina Santos

António Guterres esteve à frente do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) durante 10 anos. Em 2007, ainda longe do pico da crise de refugiados, dizia aos microfones da Renascença que o século XXI seria "o século do povo em movimento". Mostrou a fome, a pobreza extrema, os rostos dos refugiados por trás da estatística e apontou várias vezes o dedo à inacção da comunidade internacional. Já na recta final do mandato, confessava que este era o seu trabalho ideal, aquele que lhe permitia ter "uma acção permanente e directa no terreno". Guterres cumpriu a 31 de Dezembro o seu último dia no cargo. Foi substituído pelo diplomata italiano Filippo Grandi.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Flor
    06 out, 2016 Lisboa 23:45
    Em Portugal também falou por todos os que chumbam em matemática, quando declarou a sua incapacidade para fazer contas
  • Petervlg
    15 abr, 2016 Trofa 10:33
    Mas neste momento, "os que não se ouvem", estão pior.
  • ai o caraças
    27 jan, 2016 inferno 22:44
    Nao publicaram o meu comentario porque? Porque disse que este guterres é um lambe botas comunista? Cambada de estupores!
  • Manuel António Silva
    31 dez, 2015 Povoa do Varzim 17:47
    Como ainda é possível? Alguém vir para aqui dizer mal deste Homem de H grande! António Guterres um Homem sério! Um Homem, sempre ao lado dos mais fracos! Um Homem com o pleno direito de receber do Estado 250,00 mil euros de um bónus como todos os Primeiros Ministros tem esse direito quando se demitem e este grande Homem recusou esse dinheiro! Não o quis! Estes sim! São os Homens de que este Portugal precisa! Quando fazem ataques a estas pessoas honestas e se tenta encobrir os verdadeiros ladrões deste país... Está tudo dito! Somos um povo inculto, sem formação! Uns autênticos ignorantes como no tempo do António Oliveira Salazar! É desta gente que os politiqueiros oportunistas da vigarice adoram...
  • antonio silva
    31 dez, 2015 sintra 11:52
    É de elogiar a acção de A Guterres, mas ele tem de se convencer que os problemas dos refugiados deve resolvida na origem pelos intervenientes e não (sempre) responsabilizar a Europa e outros por isso.. Palavras de ocasião nada resolvem. Actue sobre a corrupção, controle da natalidade, educação, etc .......Então os "refugiados" jovens não deveriam pegar em armas se necessário e combaterem nos seus paises contra o terrorismo, em vez de jovens europeus, russos, .que morrem lá..? .A Guterres está a ser pago a peso de ouro e tudo quer dar como fez quando PM de Portugal, que nos levou á situação em que nos encontramos. É facil dramatizar....