System.NullReferenceException: Object reference not set to an instance of an object. at masterpage_MasterPage.Page_Load(Object sender, EventArgs e) Renascença - A par com o mundo.
A+ / A-
Análise

​Acabou Portas III. Aguardemos por Portas IV

29 dez, 2015 - 00:50 • Eunice Lourenço

Paulo Portas anunciou que não se recandidata a presidente do CDS. É o fim de uma liderança longa, que dura desde 1998. Mas não será, certamente, o fim da sua vida política.
A+ / A-
Paulo Portas. As várias vidas de um político irrevogável
Paulo Portas. As várias vidas de um político irrevogável

Paulo Portas tem muitas vidas. Inclusive dentro do CDS. São quase 16 anos de liderança do partido, que começaram em 1998 e só conheceram uma breve interrupção que foi a presidência de José Ribeiro e Castro depois das legislativas de 2005.

Antes de 1998, ainda houve o Portas jornalista e polémico, que fazia política no jornal “O Independente” e o Portas da intriga e da conjura na liderança de Manuel Monteiro. Mas, só no que diz respeito a estes anos de liderança, é possível identificar pelo menos três Portas, diferentes na forma, na pose e até no pensamento.

Portas I – O Paulinho das Feiras

Depois de conquistar a liderança do CDS, Paulo Portas teve de lutar contra a oposição interna e contra as sondagens que lhe davam pouco mais que nada. Logo em 1998, começou a calcorrear o país na campanha para o referendo à regionalização. Fez e desfez uma alternativa democrática com Marcelo Rebelo de Sousa e encontrou nas feiras o terreno que lhe permitiu mostrar que existia nas europeias e nas legislativas de 1999.

Num partido que não tinha estrutura consolidada no território, as campanhas de Portas serviam-se do roteiro e dos calendários das feiras e mercados para o colocar no meio do povo e a conquistar voto a voto, em nichos de eleitorado: como os agricultores e os pensionistas. E com um discurso ainda vagamente antieuropeísta e contra o rendimento mínimo. Negociou um Orçamento do Estado com António Guterres em função desses nichos, mas depois foi traído pelo seu deputado Daniel Campelo que cobrou menos por OE.

Foram tempos de um liderança truculenta e irrequieta, mas que também tentava chegar ao poder e mostrar o que conseguiria se lhe dessem mais poder. Na noite das autárquicas de 2001, com um resultado desastroso – ele que tinha feito campanha em Lisboa a dizer “Eu fico” – esteve à beira de se demitir. Mas a demissão de António Guterres salvou-o na última hora da noite e deu-lhe uma nova vida.

Portas II – O soldadinho

Tinha estado à beira do abismo na noite das autárquicas, mas passados quatro meses era ministro. E da Defesa. Foram os tempos da aliança com Durão Barroso, dois quase derrotados doutras batalhas que, finalmente, chegavam ao poder. Paulo Portas assumiu o papel de soldadinho bem comportado, inchado, solene, “grávido” de sentido de Estado.

Com o caso Moderna constantemente a morder-lhe os calcanhares, era um Portas que tinha perdido a graça, que facilmente se irritava com quem pusesse em causa o seu poder. A partida de Durão para Bruxelas obriga-o a fazer Governo com Santana Lopes e quatro meses foram suficientes para fazer cair o executivo e ruir a coligação. Vai a votos sozinho, em Fevereiro de 2005, e demite-se na noite da maioria absoluta de José Sócrates.

Portas III – O revogado irrevogável

Depois de um interregno de dois anos – em que o CDS foi liderado por Ribeiro e Castro, que, em pleno congresso, "roubou" a Telmo Correia a sucessão pré-definida – Paulo Portas volta à liderança de um partido que parecia órfão. E recomeça a reconquista de eleitorado e de caminho para voltar ao Governo.

Brilhante no Parlamento, Paulo Portas tornou-se no principal rosto da oposição do seu querido “arco da governabilidade” a José Sócrates. Enquanto o PSD ia queimando líderes – Marques Mendes, Luís Filipe Menezes, Manuela Ferreira Leite –, Portas ia fazendo o seu caminho, beneficiando até de o último desses líderes – Pedro Passos Coelho – também não ser deputado. E, quando chegou o momento de dar a estocada final a José Sócrates, também ele votou contra o PEC IV. E, quando foi preciso confortar a troika, o Portas que já tinha sido tão contra as imposições de Maastricht, aceitou o memorando de Bruxelas.

Em Junho de 2011 volta ao Governo, finalmente no cargo de ministros dos Negócios Estrangeiros, mas não é “número dois” e isso incomoda-o. Ainda mais quando o primeiro-ministro o deixa bem claro. Tenta ser o polícia bom da política de austeridade, mas Vítor Gaspar é quem manda. E quando o ministro das Finanças vai embora, Portas também vai embora porque não concorda com a escolha de Maria Luís Albuquerque.

A demissão “irrevogável” agitou o Verão de 2013 e foi revogada. Portas subiu a número dois, vice-primeiro-ministro que vendia o país por esse mundo fora e tornou-se mais serena e desapegada a sua relação com o poder. E Paulo e Maria Luís tornaram-se bons companheiros de Governo, tantas vezes sorridentes em cerimónias oficiais.

Conseguiu fazer parte de um Governo de coligação que chegou ao fim da legislatura, a coligação foi a votos como tal e venceu, mas perdeu a maioria e António Costa construiu a maioria que parecia impossível e que Paulo Portas marcou com o ferrete de “geringonça”.

Fechou-se o ciclo. Foi líder na oposição e no Governo, novamente na oposição e novamente no Governo. Foi líder de um partido de um homem só, mas deixa várias possibilidades de sucessores a si próprio: Assunção Cristas, Mota Soares, Nuno Melo.

Será difícil seja para quem for o seu sucessor, até porque Paulo Portas deixa pela segunda vez a liderança do CDS, mas não deixará a política. Só falta saber em que formato vai continuar.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • .👤.
    12 mar, 2016 Porto 02:25
    Paulo Portas foi e continua a ser um político de grande categoria bastante carismático. Gostei deste artigo. Achei piada aquela da droga dura acho que ele próprio tem noção disso, mas o seu patriotismo fala mais alto e só não faz aquilo que não o deixam fazer.
  • sergio rosa
    29 dez, 2015 Val de Figueira, São João da Talha 20:00
    olá, como é possível o jornalismo da Rádio Renascença fazer deste individuo quase mártir, ó então sou eu que estou ficando tontinho .
  • Luis
    29 dez, 2015 Lisboa 14:08
    Se a esta esta saida se juntar a saida de Cavaco, dentro de pouco tempo, os Portugueses têm muitas razões para se sentirem satisfeitos. Não é caso para menos, pois são dois personagens muito reponsáveis pelo estado de miséria a que Portugal chegou. Mas há mais a seguir o mesmo caminho. é uma questão de tempo. Saiem muito cheios sem serem minimamente responsabilizados pelo muito mal que fizeram a Portugal e aos Portugueses.
  • Castro
    29 dez, 2015 Caldas 10:51
    Ele vai andar por aí, esta criatura (falsa) não sobrevive sem protagonismo, tem de dar nas vistas, isso é irrevogável!
  • 29 dez, 2015 10:29
    Não percam mais um episódio de Portas IV. Acçao!
  • 29 dez, 2015 10:09
    Pois é... A hipótese de casamento esfumou-se. O casal PAF separou-se. A outra hipótese seria o PS, mas este mudou de parceiros, o valdevino, não resta outra alternativa de ir para o convento e espreitar que os desavindos estejam outra vez a jeito para reaparecer triunfalmente... Ainda há que tenha paciência para este aldrabão...
  • TAPados
    29 dez, 2015 Aveiro 09:41
    Um submarino Democrápula, um irrevogável espertalhão.
  • Antero Ferreira
    29 dez, 2015 Porto 08:41
    O barco a afundar e os ratos a fugir, neste caso a ratazana mor...