|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Segunda-feira. Parisienses ensaiam regresso à normalidade

16 nov, 2015 - 09:48 • Ricardo Conceição , em Paris

A palavra “guerra” está cada vez mais presente no discurso do governo e das autoridades, mas nas ruas não é isso que se sente. Ao meio-dia (11h00 portuguesas), cumpre-se um minuto de silêncio.

A+ / A-
Paris tenta regressar à normalidade
Paris tenta regressar à normalidade

Paris amanhece esta segunda-feira com a tentativa do regresso à normalidade. Os serviços reabrem para um quotidiano normal depois da brutalidade dos acontecimentos da última sexta-feira. Reabrem os mercados, as escolas, as creches, as universidades e os parques públicos em Paris, tal como alguns dos marcos emblemáticos da cidade, como o Museu do Louvre, que volta a abrir portas às 13h00.

A palavra “guerra” está cada vez mais presente no discurso do governo e das autoridades, e está também nos editoriais dos principais jornais franceses. A França está em estado de guerra, pelo que designam os discursos oficiais. Mas nas ruas não se sente isso. Há reforço policial, mas não se sente essa presença em força dos militares nas ruas, ainda que os ânimos estejam exaltados e os nervos à flor da pele.

No domingo à noite houve um pequeno rebentamento, mas ainda não se percebeu bem o que aconteceu: se terá sido uma lâmpada ou se terá sido um petardo na Praça da República, um dos locais marcados pelos atentados já muito perto do Bataclan.

As pessoas começaram a fugir, a polícia começou a dizer às pessoas para se abrigarem e para se refugiarem, e viveram-se momentos de grande confusão no que depois acabou por se revelar um falso alarme. O episódio atesta bem que as pessoas andam muito desconfiadas, no metro, no autocarro e nas ruas.

Membros da Câmara Municipal de Paris prestam esta segunda-feira uma homenagem às vítimas. Ao meio-dia (11h00 em Lisboa), cumpre-se um minuto de silêncio. A União Europeia já apelou a que se cumpra este minuto de silêncio em todos os países da Europa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 16 nov, 2015 LISBOA 10:26
    A MELHOR NORMALIDADE SERIA CADA PAÍS VIVER COM OS SEUS POVOS, MAS INFELIZMENTE SOMOS INVADIDOS E A POLITICADA AO SERVIÇO DO PLANO KALERGI, DÁ AOS INVASORES A NACIONALIDADE, CASA, MÉDICO, SUBSÍDIOS, ETC. AQUELE MONTE DE TRAPOS COM BURKA QUE ENTOU COM POMPA E CIRCUNSTANCIA EM PORTUGAL, ERA HOMEM?. MULHER?, TERRORISTA? AMANHÃ SE MATAR INFIEIS VEM A ESQUERDALHADA CHORAR LÁGRIMAS DE CORCODILO A FAZER A PALHAÇADA DE HOMENAGENS. VEJAM O QUE ACONTECE COM A INVASÃO DOS AFRICANOS!! JUNTO AOS BAIRROS DELES OS PORTUGUESES PERDERAM O SUSSEGO E A LIBERDADE INDIVIDUAL E AINDA PAGAMOS COM OS NOSSOS IMPOSTOS OS BAIRROS E OS SUBSÍDIOS.