Tempo
|
A+ / A-

G20. Líderes mundiais prometem mensagem forte sobre terrorismo

15 nov, 2015 - 10:55

Chefes de Estado dos países mais poderosos do mundo reunidos na Turquia discutem a ameaça do Estado Islâmico e a crise de refugiados. Obama diz-se solidário com a Europa.

A+ / A-

Os líderes mundiais reunidos na Turquia para a reunião do G20 prometem uma “mensagem forte” sobre o problema do terrorismo, na sequência de vários atentados que fizeram perto de 130 mortos em Paris, na noite de sexta-feira.

Antes do começo da reunião, este domingo em Antlaya, vários dos presentes falaram à imprensa e a ameaça terrorista foi um traço comum aos discursos.

Barack Obama começou a manhã reunido com o presidente turco Erdogan. No final Erdogan prometeu que a reunião não terminará sem uma “mensagem forte” sobre o terrorismo, e sublinhou que os atentados de Paris comprovam que se trata de uma ameaça colectiva.

Por sua vez, Obama referiu a solidariedade dos EUA com a Europa e com os franceses em particular, destacando também o enorme esforço levado a cabo pela Turquia para receber refugiados da guerra na Síria e especificando que Ancara tem sido um forte aliado de Washington no combate ao Estado Islâmico.

“Não devemos misturar as diferentes categorias de pessoas que estão a chegar à Europa"

Em representação da União Europeia, Jean-Claude Juncker insistiu que os países europeus não devem ceder à tentação de culpar colectivamente os refugiados por aquilo que se passou em Paris. “Não devemos misturar as diferentes categorias de pessoas que estão a chegar à Europa. O responsável pelo ataque em Paris é um criminoso e não um refugiado”, disse, referindo-se a um dos terroristas que já foi identificado como tendo chegado através da Grécia e da Sérvia, onde fez pedidos de asilo.

Vários líderes europeus que sempre foram contra a política de acolhimento de refugiados têm dito que o atentado de Paris põe em causa o sistema de quotas decidido em Bruxelas. Mas Juncker pediu seriedade na discussão. “Gostaria de lhes recordar que devem ser sérios sobre isto e não ceder a estas reacções básicas”, disse.

"Compreendo a dificuldade, mas não vejo a necessidade de alterar a nossa abordagem geral", afirmou.

A reunião do G20 começou este domingo e termina na segunda-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.