|
A+ / A-

Opiniões divididas entre as “consequências graves”e a “importância histórica” do sínodo

26 out, 2015 - 09:02 • Aura Miguel, em Roma, e Filipe d’Avillez

Dois vaticanistas veteranos fazem a sua análise do processo do sínodo sobre a família e do seu documento final.

A+ / A-

Durante dois anos, foram muitos os especialistas que discutiram as possibilidades, os efeitos e as eventuais consequências de um sínodo sobre a família que, por vezes, parecia ser unicamente debruçado sobre os casais de divorciados recasados ou os homossexuais.

Agora que o documento final já foi aprovado e divulgado, as opiniões continuam divididas. O jornalista britânico Austen Ivereigh, autor de uma das mais importantes biografias do Papa Francisco, considera que, mais do que o documento final, o próprio sínodo é que foi histórico.

“Acho que neste sínodo tem havido uma discussão que era muito necessária e que há alguns anos não era possível. Em geral, os sínodos no passado não têm tido muito efeito directo sobre os fiéis, porque os sínodos foram desenhados para reafirmar o que a Igreja já pensava e já sentia", diz Ivereigh e,notando que “um dos temas grandes do sínodo tem sido o sínodo mesmo. A estrutura, o formato e o método do sínodo.”

Já Jean-Marie Guénois, vaticanista veterano do jornal francês “Le Figaro”, mostra-se mais céptico em relação ao que se passou ao longo das últimas três semanas em Roma.

“Penso que assistimos a uma batalha teológica rara, na história recente da Igreja e que, ao mesmo tempo, é uma batalha política muito específica - política, no sentido em que há duas visões pastorais da Igreja opostas”, diz.

Sobre a questão do acesso aos sacramentos por parte das pessoas em uniões irregulares e o facto de o documento final incluir a proposta de que cada pessoa nessas situações faça um discernimento interior, acompanhado por um assistente espiritual, o jornalista afirma que “há mais ambiguidade do que nunca, porque a decisão para julgar uma situação moral particular é entregue ao casal, ao bispo, ao padre. Assim, passa a haver menos normas universais, para haver cada vez mais avaliações individuais. Por isso, sem obviamente julgar as pessoas e sem julgar o Papa, para mim é evidente que a estatura moral da Igreja Católica enfraquece”.

Questionado sobre se trata de uma vitória da vertente pastoral sobre a doutrinal, Guénois discorda: “Não creio que seja uma vitória, porque a pastoral sempre existiu. Até parece que este sínodo inventou a pastoral na Igreja, mas não é verdade. A pastoral já existia no tempo de João Paulo II, de Paulo VI, de João XXIII.”

“Ficamos com a impressão de que, actualmente, a Igreja já não julga e que apenas se interessa sobre as pessoas, mas ela sempre se interessou pelas pessoas. Só que, antes, fazia-o no segredo do confessor e do confessionário, e, hoje, a Igreja dá a impressão de ceder a uma evolução mundial que justifica o divórcio e, em parte, a homossexualidade", aponta Guénois.

“E na Igreja, um passo nessa direcção, terá consequências graves e pesadas”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.