|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Bispos portugueses querem aplicar conclusões do sínodo em Portugal

26 out, 2015 - 08:18 • Aura Miguel, em Roma, e Filipe d’Avillez

D. Manuel Clemente e D. Antonino Dias mostram-se satisfeitos com o que se passou em Roma nas últimas três semanas. O patriarca considera que o documento final revela conclusões “muito equilibradas”.

A+ / A-

Os dois bispos portugueses que participaram no sínodo sobre a família, em Roma, estão entusiasmados com o resultado final e ansiosos por aplicar as conclusões à realidade portuguesa.

D. Antonino Dias, bispo de Portalegre e Castelo Branco, é o responsável pela pastoral familiar, no seio da Conferência Episcopal Portuguesa, e mostra vontade de fazer uma partilha do que aprendeu durante o sínodo. “Vamos ter o encontro dos secretariados diocesanos agora, em Novembro, e nesse mês que vem irei fazer uma partilha daquilo que aqui vivi, toda a riqueza que aqui se passou. As dioceses estão empenhadas, estão preocupadas e todos queremos que a família ocupe o seu lugar, sinta o valor que tem e se ajude a promover e a defender.”

D. Manuel Clemente faz um comentário parecido, ressalvando que, mais do que aplicar as ideias do sínodo à sua diocese, quer concertar esforços com o resto do país. O patriarca sublinha a importância do papel desempenhado pelo Papa Francisco em todo este processo. “Estou completamente na linha do Papa Francisco, é providencial termos este homem e o serviço que ele está a prestar à Igreja, e Deus o mantenha por muitos anos e bons”, diz.

“Ele olha todas estas realidades com misericórdia, e tem esta perspectiva de não condenar ninguém, verificar a situação concreta, positiva ou negativamente, é o que é, mas haver sempre um caminho de expectativa", acrescenta D. Manuel.

Uma das principais novidades que o documento final do sínodo apresenta é a ideia de que as pessoas em uniões irregulares possam fazer um processo de discernimento, devidamente acompanhados, que possa culminar com a sua admissão aos sacramentos. O documento final não tem força de lei, mas serve de recomendação ao Papa, que agora deverá escrever um documento definitivo, que pode ser uma exortação apostólica.

“Eu estou com muita expectativa para ver o que é que o Papa, com uma exortação apostólica pós-sinodal, ou como ele entender, pegar em todas estas reflexões e nos disser como devemos fazer, a abertura que vai ser dada a esses nossos irmãos e irmãs que não podendo aceder à eucaristia podem aceder a tudo o mais. Nós temos de dar muita atenção ao caso concreto de cada um e de cada uma”, diz o patriarca Clemente.

D. Antonino, questionado sobre se se revê neste documento, prefere 'passar a bola' a Francisco: “As coisas são como são, não são como a gente gostaria que fossem, e, portanto, é um documento que é colegial, foi a vontade da maioria que propôs aquilo ao Santo Padre. Agora, o Santo Padre é que tem de pôr as cartas em cima da mesa, jogar ele.”

O sínodo sobre a família começou no dia 4 de Outubro e chegou ao fim no domingo, dia 25. Participaram cerca de 300 pessoas, na maioria bispos, mas também alguns padres, religiosos e religiosas e leigos, incluindo vários casais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Gaspar
    28 out, 2015 Pombal 10:20
    Estou totalmente de acordo com a conpreenção da Igreija em relação aos divorciados em segunda união, porque existem muitos casamentos que na minha opinião deveriam ser declarados nulos.