|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Jovens missionários encontram-se em “Missão AmarTe”

23 out, 2015 - 17:54 • Ângela Roque

Há cada vez mais jovens que optam por fazer missão, em Portugal e no estrangeiro. Outros ainda não foram mas têm esse sonho. No sábado encontram-se todos em Cascais para partilhar experiências e aprender.

A+ / A-

Mais de uma centena de jovens de várias paróquias e movimentos missionários da diocese de Lisboa juntam-se este sábado num encontro para quem já fez e para quem sonha ainda partir em missão.

Partilhar experiências e dar a conhecer os vários projectos de missão que existem é o objectivo da iniciativa “AmarTe” que vai reunir uma centena de participantes.

"É importante darmo-nos a conhecer uns aos outros, não só a experiência missionária, mas também os vários grupos e possibilidades que existem. A ideia é ser uma actividade aberta aos jovens de qualquer movimento e não termos uma actividade de uma paróquia em particular, mas unir as forças que existem, de jovens, na nossa diocese. Juntarmo-nos todos porque, no fundo, nós estamos todos a trabalhar para o mesmo", diz Maria Ribeiro, do movimento de Shöenstatt.

O encontro vai incluir uma parte de formação e oração, e outra mais prática, já de missão no terreno. A oração é crucial, explica a organizadora: “Para fazer missão é essencial termos uma boa preparação antes. Até porque há jovens que nunca fizeram missão, por isso temos esta parte de formação. Nós estamos em contacto com pessoas, e é preciso ter um bocadinho de sensibilidade, saber como as coisas se fazem. Então, vamos ter essa componente muito forte de oração e formação. E depois da parte da tarde temos a missão propriamente dita, de trabalho comunitário, visita a casas e animação de rua, e uma componente de oração. Porque existem vários tipos de missão e nem toda a gente se sente confortável com qualquer um”.

Maria Ribeiro, de 27 anos, já participou numa missão na Guiné Bissau, num projecto do movimento de Shöenstatt. E sente que há cada vez mais jovens a quer seguir esse caminho.

“Acho que existe essa sede, essa vontade, e existe este querer responder ao apelo do Papa de sermos uma Igreja em saída. Queremos ser uma Igreja alegre e que vá ao encontro do outro, que não nos fechemos em nós, e acho que estamos cada vez mais a ter essa consciência da importância que tem ir para fora. E ir para fora é muitas vezes ir para fora de nós próprios, não é necessariamente ir para fora de Portugal, mas dar este passo de ir ao encontro do outro, da necessidade dos que nos estão mais próximos e contribuir para uma sociedade melhor.”

Maria sublinha ainda que partir em missão nem sempre implica sair de onde se está: “É uma coisa que ouvimos imensas vezes, porque é que vamos para tão longe e para fora se há tanto trabalho para fazer cá dentro? E isto também é mostrar que as pessoas que vão para fora também trabalham cá dentro, porque muitos antes de irem para fora já estão a fazer missão cá”.

A missão “AmarTe” vai decorrer em Alvide, Cascais e conta com a presença de jovens de vários movimentos da diocese de Lisboa, como os Jovens sem Fronteiras, Shöenstatt, Servus Mariae, Caminho Neocatecumenal ou Equipa d’África.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.