|
A+ / A-

Ferro manda recado a Cavaco no primeiro discurso como presidente da AR

23 out, 2015 - 15:02

Socialista teve mais 12 votos do que Fernando Negrão. E exigiu respeito pela Assembleia da República, à luz da separação de poderes.

A+ / A-
Recados para fora, avisos para dentro. Foi assim o regresso à AR
Recados para fora, avisos para dentro. Foi assim o regresso à AR

Veja também:


O socialista Ferro Rodrigues é o novo presidente da Assembleia da República, deixando para trás o candidato indicado pelos partidos da coligação PSD/CDS, o social-democrata Fernando Negrão.

Ferro Rodrigues arrecadou 120 votos e Fernando Negrão 108. Participaram nesta votação os 230 deputados em funções. Houve dois votos brancos.

A eleição de Ferro foi recebida com palmas pelas bancadas da esquerda e aplaudida de pé pelos deputados do PS, com os grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP em silêncio.

Esta sexta-feira é o primeiro dia de trabalhos do Parlamento da XIII Legislatura.

No primeiro discurso enquanto presidente do Parlamento, o sucessor de Assunção Esteves disse: "Serei o presidente de todos os senhoras e senhores deputados".

Defendeu que a "história de compromissos e convergências" tem "forçosamente de se repetir" no tempo actual em que "nenhuma força teve maioria absoluta" e a responsabilidade de todos "é acrescida".

"Uma democracia de qualidade não se esgota no dia das eleições", disse Ferro. " A oposição tem um papel tão importante como o Governo".

Numa "indirecta" clara ao Presidente da República, Ferro Rodrigues exigiu respeito pela "soberania da Assembleia da República", à luz da separação de poderes.

O histórico socialista, que ocupa agora o segundo lugar na hierarquia do Estado, argumentou que "assim como não há deputados de primeira e segunda, também não há grupos parlamentares de primeira e de segunda, coligações aceitáveis e outras banidas".

"Nenhuma democracia sobrevive sem compromisso", disse. "Os senhoras e senhores deputados vão ter que trocar muitas ideias sobre muitos assuntos", afirmou, parafraseando o escritor Mário de Carvalho.

"A integração europeia de Portugal está certamente na base de muitos dos sucessos de 40 anos de democracia, mas foi o espírito constitucional inicial, marcado pelo compromisso e convergência que deu depois condições políticas a que os avanços da democracia se concretizassem", argumentou.

O recém-eleito presidente defendeu que "o conflito é próprio da política democrática mas nenhuma democracia sobrevive sem uma cultura de lealdade institucional e de diálogo estratégico entre os partidos representados na Assembleia da República".

PSD ataca escolha inédita

Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, lamentou que pela primeira vez na história da democracia portuguesa o presidente da Assembleia da República não seja do partido mais votado nas legislativas.

"Não começou bem o seu mandato como presidente da Assembleia da República", disse Luís Montenegro. O social-democrata ouviu o discurso de Ferro Rodrigues e ficou "com a sensação de que as garantias de isenção de imparcialidade" exigidas pelo cargo não são as melhores.

"O povo escolheu Pedro Passos Coelho para ser primeiro-ministro e liderar o governo, não escolheu mais ninguém. E atribuiu a todos a responsabilidade de não estragarmos tudo aquilo que fomos capazes de conquistar com o esforço e o sacríficio dos portugueses."

"Inconseguimentos" e frases polémicas. Os quatro anos de Assunção Esteves à frente do Parlamento
"Inconseguimentos" e frases polémicas. Os quatro anos de Assunção Esteves à frente do Parlamento
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rocfer
    24 out, 2015 Coimbra 14:19
    Continua a confusão e a demagogia no espírito de muita gente. A coligação não ganhou coisa nenhuma, apenas foi a força mais votada tendo por, mera formalidade, sido indigitada para governar. 38,57% dos votos não são 50% dos votos expressos ou uma percentagem que lhe dê maioria de deputados. Qual tradição de presidência da assembleia? O PA é eleito por sufrágio dos deputados , não ganhou o da coligação...respeite-se a escolha da maioria de portugueses...2,7 milhões quiseram ...perceberam? N é complicado...matemática e aritmética parece n ser o forte dos apoiantes da coligação.
  • P.BALTASAR
    24 out, 2015 lisboa 09:07
    QUEM GANHOU AS ELEIÇÕES FOI O PS o psd perdeu-as
  • Manuel António Silva
    24 out, 2015 Ponte de Lima 08:59
    Como é possível ainda aparecer os ditadores modernos de um modelo Salazarista? Como é possível ainda existirem mentalidades das décadas 40, 50, 60? Como é possível uma direita que reapareceu radicalmente sem olhar a um democracia? Como é possível a direita moderada passar a uma direita da velha frase: "Quem não é por nós é contra nós"? Como é possível ter um pensamento que os votos puros são os da direita os outros votos são falsos? Direita ordinária!!! Como os portugueses se estão a aperceber que o vosso ódio é de uma extremidade sem limites...
  • MK
    24 out, 2015 Seixal 07:53
    O homem não se avalia pela aparência, mas ajuda a formar opinião, Ferro Rodrigues parece uma bota da tropa dos anos 60'
  • Pedro Cabral
    24 out, 2015 Portugal 06:16
    "Morreu" a república constitucional semi-presidencial. No novo sistema político português que se passou a chamar, desde ontem, "Regimento parlamentarista usurpado ao povo" tem como primeira figura o presidente parlamentar. Na próxima semana será anunciado por maioria absoluta o cancelamento das próximas eleições para PR! O prfº. Marcelo pode guardar a "viola no saco"! Dantesco!
  • Marisa
    24 out, 2015 Cascais 01:10
    António Costa, nos anos 80, quando perdeu as eleições para a Assembleia Académica de Lisboa, barricou-se na universidade recusando a derrota e negou entregar as instalações à lista vencedora. Apunhalou o Seguro pelas costas e agora esta confusão......... quem é que é falso ???
  • impisa
    23 out, 2015 olhão 23:29
    Só hoje ficámos a saber quem ganhou as eleições. Num campeonato de futebol, quem ganha o título não é a equipa que marcou mais golos mas a que somou mais pontos. Nas eleições legislativas não ganha quem tem mais votos mas quem tem maior apoio parlamentar. Hoje ficámos a saber que António Costa tem o maior apoio parlamentar, logo: António Costa GANHOU AS ELEIÇÕES!!!
  • A. Moura
    23 out, 2015 Lx 23:17
    Este tipo representa o tipo de político cheio de vícios do antigamente Agora até lhe deu-para a boçalidade. Não tem categoria para ser Presidente da AR, como, aliás, já não tinha para ser líder parlamentar. Ainda bem que o Sampaio não o deixou ser primeiro-ministro!
  • honrem a AR
    23 out, 2015 Leiria 22:51
    Hoje na eleição do presidente da assembleia da República os deputados da dita cuja mais pareciam estar num funeral. Aconselhava-os mais os do ps a fazerem de conta que estão nas comissões técnicas com os partidos do be ou pcp, nestas era sempre sorrisos, festa e... rock and roll
  • joel
    23 out, 2015 lisboa 22:15
    Maria...zinha, instabilidades destas já estamos habituados, a venda do país por atacado ou a retalho como queira por políticos que falam sempre em nome do alto interesse nacional, foi-o em 1640 e recentemente em pleno rebentar da crise financeira internacional com chumbo do orçamento conhecido pelo PEC4 que a seu ver deu uma grande estabilidade e credibilidade, até porque a divida do estado passou de 90% do PIB para quase 140%. Na sua opinião estamos melhor, ou seja estamos a ser governados por estrangeiros como querem e lhes apetece, que impõem o que devemos vender, EDP, REN, CTT, TAP e etcetera, passamos à história recente como uma colónia ainda não se sabe bem de quem. As palavras do "pesidente dos algarves" foram bem prova disso, os mercados e as instituições financeiras impuseram-lhas na boca. Pense bem, com carinho, uma beijoca.