|
A+ / A-

​Entre as urnas e o futebol. Um empate e uma maioria absoluta

04 out, 2015 - 19:31 • Marília Freitas

Um cão com nome de jogador de futebol que assiste ao vai e vem numa assembleia de voto. Não muito longe, o Estádio do Dragão enche-se de adeptos mais preocupados com a vitória no futebol do que com o resultado das eleições.

A+ / A-

Pepe está sentado nas escadas, à entrada da Escola Secundária Aurélia de Sousa, no Porto. Espera pelo dono, que, lá dentro, está a votar. Transformou-se no centro das atenções, no corrupio do entra e sai desta assembleia de voto. Uma festinha antes do voto, outra depois, mas Pepe continua quieto, alheio à importância das decisões que aqui se tomam.

A meio da tarde, o movimento é muito. São dezenas as pessoas que chegam para votar, muitas com dificuldade em andar, algumas até de cadeira de rodas. Dizem-nos que há mais afluência do que há quatro anos. E, na verdade, até encontramos quem já não viesse votar há muito tempo. Mas "a revolta é tanta que tinham que vir".

O vai e vem continua. Será por haver futebol, daqui a nada, mesmo aqui ao lado? Há de facto quem tenha vindo votar para depois ver o jogo - em casa. Mas, afirmaram, que não seria o futebol que iria fazer subir a abstenção. É certo que o domingo é, por excelência, o dia de ir à bola, mas era também dia de eleições.

Pepe continua à espera. Tem nome de jogador de futebol, talvez tenha sido por influência do antigo defesa do FC Porto. No entanto, o amigo do dono, que o segura pela coleira, é benfiquista. Dos resultados desta noite, espera uma vitória do Benfica e da direita.

Uma opinião rara, quer nesta assembleia de voto, quer aqui ao lado, junto ao Estádio do Dragão. Os adeptos chegam às centenas, vestidos a rigor, com os cachecóis, t-shirts e bandeiras. Bebe-se uma cerveja, come-se um cachorro e faz-se um compasso de espera, enquanto não chegam os amigos. Quase todos foram votar, dizem-nos. O jogo é só ao fim da tarde, sobrou tempo para ir às urnas.

Mas nem assim o resultado das eleições será porventura mais importante que o do futebol. Elsa vende cachecóis, pede que não lhe interrompamos o trabalho por muito tempo. Quer vender e, por isso, prefere mais gente no Dragão do que nas assembleias de voto. Não quer saber quem vai governar o país: “Eu sou pelos pequenos, só ganham os grandes”.

Mas mais à frente, mesmo antes de entrar para o estádio, há um adepto que não tem dúvidas quanto aos resultados desta noite: “maioria absoluta para o FC Porto e um empate nas eleições”. Acertou no primeiro, não no segundo.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.