Tempo
|
A+ / A-

Abstenção de 43,07% é a maior de sempre em legislativas

05 out, 2015 - 01:43

A taxa tem vindo a aumentar desde o primeiro sufrágio universal livre do género, há 40 anos, quando escassos 8,34 % dos eleitores não se deslocaram às assembleias de voto.

A+ / A-

A abstenção nas eleições de 4 de Outubro ficou nos 43,07%. É a maior de sempre registada em legislativas, quando faltavam atribuir quatro mandatos de deputados respeitantes aos círculos da emigração.

Nas eleições legislativas de 2011, a abstenção situou-se nos 41,9%.

A coligação PSD/CDS-PP é a força política mais votada nestas eleições, com 38,55% dos votos e com 104 mandatos, quando estão apurados os resultados provisórios em todas as 3.092 freguesias, de acordo com os dados da Secretaria Geral do Ministério de Administração Interna - Administração Eleitoral.

O PS foi o segundo partido mais votado, com 32,38%, elegendo 85 deputados.

Estavam recenseados 9.682.369 os eleitores, segundo dados da Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna.

Abstenção em crescendo

A taxa de abstenção em legislativas tem vindo a aumentar em Portugal desde o primeiro sufrágio universal livre do género, há 40 anos, quando escassos 8,34 % dos eleitores não se deslocaram às assembleias de voto.

De pouco mais de 8% em 1975, a taxa de abstenção cresceu assim exponencialmente até aos 41,9% em 2011, depois de em 2009 se ter registado uma taxa de 40,32%.

Só em três ocasiões se verificou um ligeiro abrandamento da tendência, em 1980, 2002 e 2005, respectivamente, quando a coligação Aliança Democrática (AD) - constituída pelo PPD-PSD, o CDS-PP e o Partido Popular Monárquico - venceu pela segunda vez, com maioria absoluta, assim como no triunfo do PSD de Durão Barroso e na primeira maioria absoluta do PS, com José Sócrates.

Em 1980, a abstenção recuou para 16,06%, quando nas anteriores legislativas tinha atingido 17,13%, em 2 de Dezembro de 1979.

Trinta e dois anos depois, a 17 de Março de 2002, quando os sociais-democratas, liderados por Durão Barroso, ganharam as eleições, a taxa de abstenção cifrou-se em 38,52%, ligeiramente abaixo dos 38,91% registados na segunda eleição de Guterres, em 10 de Outubro de 1999.

Logo nas eleições seguintes, em 2005, que deram a Sócrates o seu primeiro mandato como primeiro-ministro, a abstenção ficou-se pelos 35,74%, face aos anteriores 38,52%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+