A+ / A-

Papa à Renascença: “Jesus foi popular e acabou como acabou. Ninguém tem garantida a felicidade mundana"

14 set, 2015 - 09:00 • Aura Miguel , no Vaticano

Em entrevista à Renascença, questionado sobre como vê a sua popularidade, Francisco admite que se interroga com frequência sobre a sua “cruz”, invisível.
A+ / A-

“Jesus, num certo momento, foi muito popular e, depois, acabou como acabou. Ou seja, ninguém tem garantida a felicidade mundana.” É desta forma que o Papa Francisco comenta, na entrevista que deu à Renascença, a sua popularidade.

“Muitas vezes me pergunto como será a minha cruz, como é a minha cruz... As cruzes existem. Não se vêem, mas estão lá. E também Jesus, num certo momento, foi muito popular e, depois, acabou como acabou. Ou seja, ninguém tem garantida a felicidade mundana. A única coisa que peço é que me conserve a paz do coração e que me conserve na sua Graça porque, até ao último momento, somos pecadores e podemos renegar a sua Graça”,

Nesta conversa, o Papa conta vários aspectos da sua vida enquanto Santo Padre.

Diz que dorme “como uma pedra” e que se confessa de duas em duas semanas (“Todos os 15 dias, 20 dias”).

“Confesso-me a um padre franciscano, o padre Blanco, que tem a bondade de vir cá confessar-me. E nunca tive de chamar uma ambulância para o levar de regresso, assustado com os meus pecados”, brinca.

O Papa conta, entre risos, ainda que “quando era mais novo” imaginava a vida eterna como “muito aborrecida”. “Agora, penso que é um Mistério de encontro. É quase inimaginável, mas deve ser algo muito bonito e maravilhoso encontrar-se com o Senhor.”


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António
    14 set, 2015 Porto 19:57
    “Jesus, num certo momento, foi muito popular e, depois, acabou como acabou. Ou seja, ninguém tem garantida a felicidade mundana.” É desta forma que o Papa Francisco comenta, na entrevista que deu à Renascença, a sua popularidade. Penso, como Jesus, o Papa Francisco não fez várias limpezas ao Templo, batendo forte com um chicote nos vendedores e cambistas do Templo. Tirou o rendimento cambial aos Sacerdotes Fariseus. Tudo isso fez que os Sacerdotes Fariseus fizessem um movimento de massas judaicas contra Jesus. Assim Pilatos pergunta quem quereis que seja crucificado Barrabás (inimigo de Roma) ou Jesus que se diz Rei dos Judeus. As massas enfurecidas a mando de Caifás disseram: Jesus de Nazaré. E assim aconteceu. Naquele tempo. Papa Francisco não está numa condição idêntica, por isso uma crucificação seria impensável, mas algo mais mais sofisticado pode acontecer. Sejamos fortes nas nossas orações, para que o nosso Pastor possa apascentar as suas ovelhas e as conduza a bom caminho. Tem tido muito carinho em todos os locais que visitou. Bem-haja