Tempo
|
A+ / A-

"Fracasso" e "desastre". Varoufakis não acredita no plano dos credores

18 jul, 2015 - 16:07

Ex-ministro grego das Finanças considera que Atenas está sujeita a um programa económico que "irá passar à história como o maior desastre macroeconómico de sempre".

A+ / A-

As reformas económicas e medidas de austeridade impostas pelos credores à Grécia "vão fracassar", afirma o ex-ministro grego das Finanças. O alerta de Yanis Varoufakis é feito ainda antes do início das conversações sobre o novo resgate.

Em declarações à BBC, Varoufakis considerou que a Grécia está sujeita a um programa económico que "irá passar à história como o maior desastre macroeconómico de sempre".

As declarações do ex-ministro surgem um dia depois de o parlamento alemão ter aprovado o início das negociações sobre o novo resgate à Grécia, que pode ascender a 86 mil milhões de euros em troca de duras medidas de austeridade.

"Este programa vai fracassar, independentemente de quem o implementar", insistiu Varoufakis, segundo o qual o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, não tinha outra opção senão assinar o acordo.

O ex-ministro das Finanças, que votou contra as condições do resgate, afirma que os credores deram à Grécia "a opção entre ser executados e capitular. Ele [Tsipras] decidiu que a capitulação era a melhor estratégia".

"Discordei com ele e demiti-me do meu cargo, mas compreendo a posição muito difícil em que ele se encontra", salientou.

Yanis Varoufakis apresentou a sua demissão do Governo grego a 6 de Julho, horas depois da vitória do “não” no referendo grego à proposta de acordo apresentada na semana anterior pelo Eurogrupo ao executivo helénico.

O parlamento grego aprovou, na madrugada de quinta-feira, o acordo alcançado na segunda-feira com os líderes da zona euro para permitir o terceiro resgate financeiro do país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+