|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Jihadistas usam redes sociais para chegar a "lobos solitários"

11 mai, 2015 - 11:56

Estados Unidos admitem nova fase de ameaça terrorista devido às redes sociais.

A+ / A-
O secretário norte-americano da Segurança Interna afirmou viver-se uma nova fase de ameaça terrorista global devido à crescente utilização das redes sociais pelo autodenominado Estado Islâmico (EI).

Em entrevista à cadeia televisiva ABC, Jeh Johnson referiu que passou a haver um novo contexto devido ao "uso das redes sociais e da internet pelo EI e que, assim, consegue alcançar pessoas no território" dos Estados Unidos, como "lobos solitários".

Com a internet, o Governo dos Estados Unidos receia que não haja avisos sobre a acção de um "actor independente".

"É por isso que as forças da ordem locais devem estar mais atentas do que nunca", considerou o governante, que insistiu na necessidade de envolver as comunidades na luta contra a propaganda jihadista.

"Tem de vir do interior da comunidade. Tem de vir dos líderes islâmicos, que, sinceramente, podem encontrar melhor as palavras que o Estado federal", disse.

Os Estados Unidos reforçaram, como medida de precaução, a segurança nas suas bases militares devido a uma ameaça jihadista e, na sexta-feira, o director do FBI, James Comey, admitiu a preocupação das autoridades com as incitações do EI, na internet, para "agressão aos militares e agentes da ordem".

John Carlin, procurador-geral adjunto para a Segurança Nacional dos EUA, revelou que cerca de 180 americanos já partiram ou tentaram partir para a Síria para se juntarem às fileiras dos jihadistas.

A nível europeu, segundo dados avançados pela comissária europeia da Justiça, mais de seis mil jihadistas europeus podem estar a combater na Síria. Uma pesquisa britânica identificou "o desejo de aventura, tédio, insatisfação com a sua vida e falta de perspectivas" em todos os que optaram por abandonar as suas famílias e ir para a Síria, disse a comissária Vera Jourová, em entrevista ao "Le Figaro".
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.