O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
hora da verdade

Carlos Silva. UGT admite acordo faseado “até por futuras legislaturas"

15 nov, 2017 - 22:42 • Eunice Lourenço (Renascença) e David Dinis (Público). Foto: Ricardo Lopes/Público

Líder da central sindical conseguiu que negociações com professores fossem abertas porque tratou do assunto directamente com o primeiro-ministro. Agora que as negociações prosseguem, o dirigente sindical admite um acordo faseado que passe até por várias legislaturas. Em entrevista à Renascença e ao Público, Carlos Silva diz que falta peso político ao ministro da Educação e queixa-se de uma “certa orfandade” por este Governo não ouvir a UGT tanto quanto deveria.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.