Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. "Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto"

17 jun, 2019 - 06:20 • Joana Gonçalves

A aldeia de Marinha do Vale Carvalho, na Sertã, continua sem comunicações, dois anos depois do grande incêndio que devastou a zona. Os terrenos e as faixas de gestão de combustível permanecem por limpar. Os proprietários sentem-se esmorecidos, sem vontade de investir, e os concursos públicos estão desertos. Os moradores destas aldeias estão cada vez mais isolados. Este 17 de Junho assinala-se, pela primeira vez, o dia em memória das vítimas de incêndios florestais, dois anos depois da morte de 116 pessoas, no pior ano de incêndios florestais em Portugal.
RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.