O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Julinho da Concertina. O tesouro do funaná vive num bairro da Amadora

02 fev, 2018 - 11:56 • Pedro Rios , Joana Bourgard

Em Cabo Verde, chamavam-no de "diabo" porque tocava, com concertinas (gaitas) mais ou menos artesanais, uma música que a Igreja e o poder colonial demonizavam. Antes dos 18 anos, emigra da Ilha de Santiago para os bairros periféricos de Lisboa. Trabalhou em fábricas e numa mina. Aos 64 anos, é um dos poucos tocadores de funaná tradicional e conquista novos públicos, com a ajuda da Celeste Mariposa, editora do novo disco "Diabo Tocador".
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.