O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Julinho da Concertina. O tesouro do funaná vive num bairro da Amadora

02 fev, 2018 - 11:56 • Pedro Rios , Joana Bourgard

Em Cabo Verde, chamavam-no de "diabo" porque tocava, com concertinas (gaitas) mais ou menos artesanais, uma música que a Igreja e o poder colonial demonizavam. Antes dos 18 anos, emigra da Ilha de Santiago para os bairros periféricos de Lisboa. Trabalhou em fábricas e numa mina. Aos 64 anos, é um dos poucos tocadores de funaná tradicional e conquista novos públicos, com a ajuda da Celeste Mariposa, editora do novo disco "Diabo Tocador".
Reportagem
ponte eiffel abandonada
Reportagem Multimédia

A surreal história de uma Ponte Eiffel

Está na natureza das pontes ficarem sempre no mesmo lugar. Não foi o que aconteceu com uma das pontes de comboio que Gustave Eiffel deixou em Portugal. Está há anos guardada numa fábrica de candeeiros da Póvoa de Lanhoso.

Capa Encalhados na Turquia
Reportagem multimédia

Encalhados na Turquia

Rateb só quer abraçar a família, que vive em Lisboa. Ghossoun foi da Arábia Saudita à Síria depois de ver imagens de crianças mortas pelo regime. O enfermeiro Alaa resgatava civis na Síria até ficar gravemente ferido. A Turquia abriga mais de 4 milhões de refugiados. Alguns ainda sonham com a Europa, que paga para que fiquem onde estão. São tratados como “convidados”, mas quanto tempo pode alguém viver na casa dos outros?

Acidentes com tratores. Morte no Campo (imagem sem título)
Reportagem multimédia

Acidentes com tratores. Morte no campo

Nos últimos cinco anos, morreram em média cinco agricultores por mês em acidentes com tratores. Um arco podia salvar vidas, mas muitas vezes não existe. O problema está identificado há décadas, mas as soluções políticas não avançam. Uma tragédia sem fim à vista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.