O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Falemos do Pê-pê-dê-PSD (ou do que eles disseram um do outro)

11 jan, 2018 - 13:38 • Marília Freitas (edição)

Santana Lopes apresentou-se na primeira pessoa e com o discurso do “eu nunca”. Rui Rio aprendeu “truques” e foi ao baú das “trapalhadas”. A campanha para a liderança do Pê-pê-dê-PSD - como insiste Santana - ficou mais marcada por troca de “galhardetes” pessoais do que por ideias para o partido e para o país.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.