O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Fogos. A angústia de não conseguir ouvir a família

20 out, 2017 - 17:55 • Inês Rocha Grafismo: Rodrigo Machado

Manuel esteve isolado na Pampilhosa da Serra – rodeado pelas chamas. Rosa precisou de várias horas até conseguir ouvir a filha dizer que estava bem – Viseu ardia. Patrícia estava em Lisboa e viveu o fogo em Oliveira do Hospital à distância – passou um dia sem conseguir falar com os pais, o medo crescia a cada novo balanço do número de mortos. É um facto: quando o país arde, as comunicações calam-se. O Governo debate o que fazer, este sábado, num Conselho de Ministros extraordinário sobre as falhas identificadas em Pedrógão Grande e que se repetiram no último domingo.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.