O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Um ano após as presidenciais

Marcelo, o "entertainer" estratégico. Entre a "descrispação" e a "sobreexposição"

24 jan, 2017 - 06:49 • Marília Freitas , Ricardo Fortunato (pós-produção)

Na campanha eleitoral, Marcelo Rebelo de Sousa prometeu ser um Presidente "próximo dos portugueses". A verdade é que, um ano após as eleições presidenciais, foram poucos os dias em que Marcelo ficou no Palácio de Belém. Com uma agenda preenchida, o Presidente multiplica-se em visitas e contactos mais ou menos institucionais, sem negar uma fotografia, um beijinho ou um abraço.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.