Entrevista

Sami Naïr. A austeridade matou o projecto europeu e abriu caminho ao populismo

18 nov, 2016 - 06:31 • Catarina Santos

Sami Naïr “não tinha interesse nenhum” em especializar-se em questões migratórias, mas a ascensão de Le Pen há 30 anos obrigou-o a não largar mais o assunto. Em entrevista à Renascença, o filósofo e politólogo franco-argelino confessa que nunca pensou ver a União Europeia chegar ao ponto de “paralisia política, social e económica” que a levou a responder à crise de refugiados com uma “política hipócrita”. Diz que os governos dos países europeus estão a “impulsionar a rejeição e o medo na opinião pública” e defende que a responsabilidade é da UE, por ter esquecido a política e ter colocado “banqueiros e tecnocratas” aos comandos.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Dr Xico
    23 nov, 2016 Lisboa 11:50
    OS GOVERNOS ESTÃO CEGOS para agradar à Alemanha e os Ricos . dai os PS estarem a acabar na europa. Resta Portugal e o PS para provar a toda a europa que há outra solução. Costa tem de estar á altura da responsabilidade