Entrevista

O refúgio dos livros do antigo repórter de guerra Arturo Pérez-Reverte

15 set, 2016 - 07:19 • Maria João Costa , Ricardo Fortunato

É um dos escritores espanhóis mais lidos no mundo. Arturo Pérez-Reverte considera que a Espanha, sem governo, chegou a um “grau de estupidez grande”. Para o autor, a política espanhola não tem relação com a realidade do país. Reverte, que esta quarta-feira participou no Festival Internacional de Cultura em Cascais, classifica os professores como os heróis do século XXI. Em entrevista à jornalista Maria João Costa, o escritor, que acaba de lançar em Portugal a obra “Homens Bons”, diz que um mundo sem livros é inexplicável.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.