Pacheco Pereira: "Estamos encurralados" e Passos Coelho quer sanções
Editado por Pedro Mesquita
Inserido em 07-07-2016 15:38

"Há pessoas em Portugal que querem sanções, que precisam das sanções da União Europeia, do ponto de vista político", diz o social-democrata.

José Pacheco Pereira entende que Portugal está encurralado. Por força do domínio de Bruxelas (da chamada "Europa") face à governação dos estados e, no caso português, também pela fragilidade da solução governativa e do modo com a poderosa "Europa" a encara.

O conhecido comentador, antigo deputado e dirigente do PSD, diz que se a herança de Sócrates foi a bancarrota, a de Passos Coelho é a dos problemas escondidos debaixo do tapete.

Afinal, em que estado está a nação?

Portugal está metido numa situação muito complicada. Em primeiro lugar, não são verdadeiramente os portugueses que governam e, portanto, as decisões que podiam ser tomadas em função do interesse nacional e de uma política de desenvolvimento estão, neste momento, completamente bloqueadas pelo tratado orçamental e pelas chamadas regras europeias. Estamos, de facto, encurralados num certo sentido.

Podemos dizer que estamos encurralados, por um lado, por Bruxelas, que nos ameaça com sanções, e, por outro lado, pelo Bloco e pelo PCP, que também limitam a acção do governo?

Não sei bem se se pode colocar as duas coisas no mesmo plano, porque são de natureza distinta. O que se passa hoje é que a fragilidade desta solução governativa não é interna, ou seja, apesar de tudo, os entendimentos entre o PCP, o Bloco de Esquerda e o PS têm condições para criar uma certa estabilidade, algo que não dá nenhuma estabilidade a chamada Europa.

O problema não é saber se o défice fica 0,1 acima ou 0,1 abaixo, não. É mesmo um problema político. Num certo sentido, a Maria Luís Albuquerque tem razão, quando diz que, se ela fosse ministra, isto não acontecia. É uma razão perversa, mas tem razão. Ao governo anterior tudo foi perdoado, a este governo nada será perdoado. E os partidos, principalmente os partidos do PPE, que viraram muito à direita nos últimos anos, são agora defensores dessa política. Há pessoas em Portugal que querem sanções, que precisam das sanções da União Europeia, do ponto de vista político.

Está a pensar no PSD?

Estou a falar, por exemplo, do PSD. Declarações como as que tem feito Pedro Passos Coelho ou Maria Luís Albuquerque são, objectivamente, declarações de quem acha que, sendo as sanções derivadas da situação de 2015, há a tentativa de as transformar em sanções sobre a política de 2016, o que, na verdade, é completamente ilegal, sob o ponto de vista das regras europeias.

E surge, agora, a Caixa Geral de Depósitos...

É mais um exemplo do que estava debaixo do tapete. Enquanto que a herança do governo de Sócrates foi a banca rota, que, objectivamente, existiu, a herança do governo de Passos Coelho, para além de não ter resolvido nenhum problema estrutural do país, vai ser, a prazo, ver como o processo de privatizações levanta muitos problemas e é também a situação calamitosa em que se encontra o sistema financeiro. Caiu tudo em cima deste Governo. Antes, foi escondido. Foi deliberadamente escondido para efeitos eleitorais.

Também a questão da Caixa?

Também, como é óbvio.