​Marcelo pode ajudar a resolver problemas dos Açores, diz bispo de Angra
Editado por Susana Madureira Martins
Inserido em 03-06-2017 16:17

D. João Lavrador recebeu o Presidente da República na Sé Catedral de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira

Marcelo Rebelo de Sousa entrou hoje na Sé Catedral de Angra do Heroísmo acompanhado pelo bispo da diocese, D. João Lavrador, que em declarações à Renascença assumiu que a presença do Presidente da República nos Açores tem uma “importância bastante grande e penso que apreciada por todos”.

D. João Lavrador recebeu à entrada da Sé de São Salvador Marcelo Rebelo de Sousa e o Presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, com um “benvindos à casa comum”, disse nesta pequena entrevista que essa importância para pela “presença daquele que é símbolo da unidade nacional”.

Assim, o bispo de Angra do Heroísmo sublinha que “dado que estamos numa autonomia, reforçar a autonomia é também reforçar a unidade a nível nacional e o Presidente da República é, sem dúvida alguma, aquele que reforça essa unidade”

No terceiro dia de visita oficial de Marcelo aos Açores, o bispo de Angra recordou os problemas do arquipélago ”sociais, em termos de periferia, situações em relação ao continente se colocam aqui com muito mais acuidade, com mais premência em termos do que são as situações laborais, sociais”.

Falando à Renascença à entrada da Sé Catedral onde se preparava para receber Marcelo Rebelo de Sousa, D. João Lavrador acrescentou que “eu penso que a presença do Presidente da República vem conhecer de uma maneira real aquilo que são os problemas das pessoas e poderá ter um encaminhamento maior em ordem à solução e ao futuro”

Referindo-se ainda a uma expressão que Marcelo gosta de incentivar, a proximidade com os portugueses, D. João Lavrador reconhece que “é este sentido de presença, de proximidade que vem precisamente ajudar a criar ânimo e criar um bocadinho de alento a uma região que dada a sua situação pode dar um bocadinho de desalento”

Questionado se o facto de ser um Presidente da República assumidamente católico tem importância para resolver estes problemas, D. João Lavrador pensa que “sim, por um lado porque é de alguma maneira uma leitura nova da própria realidade como Presidente, mas não tira a sua realidade própria como Presidente que não tem a ver com o ser católico, é o Presidente dos portugueses”

Marcelo Rebelo de Sousa entrou na Sé Catedral de Angra do Heroísmo e teve direito a uma visita guiada pelo interior, onde aproveitou também para um pequeno momento de oração, tendo ao lado o presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro.